Greve no McDonald's: trabalhadoras queixam-se de assédio sexual

Dizem que são apalpadas e que recebem propostas sexuais de supervisores e os gerentes nada fazem, Vão parar na próxima terça-feira em dez cidades americanas

Mulheres que trabalham em restaurantes do McDonald's nos Estados Unidos estão fartas de assédio sexual por parte de supervisores e querem que a empresa tome medidas sérias porque quando se queixam são ignoradas pelos gerentes ou até castigadas.

Para já, fartas de serem apalpadas por chefes que lhes pedem sexo e se exibem no próprio local de trabalho, trabalhadoras de restaurantes de dez cidades americanas vão fazer greve no próximo dia 18, terça-feira, para pressionar a empresa a resolver o problema, como revelou a Associated Press.

Trata-se da primeira greve laboral que atinge uma empresa dos EUA relacionada com o movimento #MeToo, nota a publicação online Vox, um ano depois de alegações contra o produtor de cinema Harvey Weinstein ter levado centenas de mulheres a denunciar as suas experiências em que foram ou são vítimas de assédio sexual.

"Queremos mudar a cultura no McDonald's", avisou a advogada Mary Joyce Carlson, em declarações ao Politico. "E, ao fazer isso, mudar a cultura na indústria de fast food", apontou a jurista associada à campanha por direitos laborais "Fight For $15", que defende o pagamento de 15 dólares por hora (cerca de 12,90 euros) para trabalhadores de setores como o fast food, lojas de conveniência e de aeroportos, postos de abastecimentos, atendimentos domiciliares e de cuidados com crianças, entre outros.

Em maio passado, revela a Vox, dez mulheres apresentaram queixas de assédio sexual contra restaurantes do McDonald's na Comissão da Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA. Algumas dessas mulheres estão agora a organizar a paralisação em conjunto com o Time's Up Legal Defense Fund, um grupo de assistência jurídica para trabalhadores que sofrem assédio sexual, e o Fight for $ 15, grupo de pressão que luta por salários mais altos na indústria de fast food.

Sem conseguir antecipar quantas e quantos funcionários participarão na greve, a AP avança que centenas de mulheres votaram a favor da greve em "comissões de mulheres" recém-formadas em dezenas de restaurantes da cadeia McDonald's.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.