Greve no McDonald's: trabalhadoras queixam-se de assédio sexual

Dizem que são apalpadas e que recebem propostas sexuais de supervisores e os gerentes nada fazem, Vão parar na próxima terça-feira em dez cidades americanas

Mulheres que trabalham em restaurantes do McDonald's nos Estados Unidos estão fartas de assédio sexual por parte de supervisores e querem que a empresa tome medidas sérias porque quando se queixam são ignoradas pelos gerentes ou até castigadas.

Para já, fartas de serem apalpadas por chefes que lhes pedem sexo e se exibem no próprio local de trabalho, trabalhadoras de restaurantes de dez cidades americanas vão fazer greve no próximo dia 18, terça-feira, para pressionar a empresa a resolver o problema, como revelou a Associated Press.

Trata-se da primeira greve laboral que atinge uma empresa dos EUA relacionada com o movimento #MeToo, nota a publicação online Vox, um ano depois de alegações contra o produtor de cinema Harvey Weinstein ter levado centenas de mulheres a denunciar as suas experiências em que foram ou são vítimas de assédio sexual.

"Queremos mudar a cultura no McDonald's", avisou a advogada Mary Joyce Carlson, em declarações ao Politico. "E, ao fazer isso, mudar a cultura na indústria de fast food", apontou a jurista associada à campanha por direitos laborais "Fight For $15", que defende o pagamento de 15 dólares por hora (cerca de 12,90 euros) para trabalhadores de setores como o fast food, lojas de conveniência e de aeroportos, postos de abastecimentos, atendimentos domiciliares e de cuidados com crianças, entre outros.

Em maio passado, revela a Vox, dez mulheres apresentaram queixas de assédio sexual contra restaurantes do McDonald's na Comissão da Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA. Algumas dessas mulheres estão agora a organizar a paralisação em conjunto com o Time's Up Legal Defense Fund, um grupo de assistência jurídica para trabalhadores que sofrem assédio sexual, e o Fight for $ 15, grupo de pressão que luta por salários mais altos na indústria de fast food.

Sem conseguir antecipar quantas e quantos funcionários participarão na greve, a AP avança que centenas de mulheres votaram a favor da greve em "comissões de mulheres" recém-formadas em dezenas de restaurantes da cadeia McDonald's.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.