Greve bloqueia plataformas petrolíferas, centrais nucleares e transportes

Entre 20 a 30% das gasolineiras já estão sem combustíveis. A greve também afeta a aviação, com vários voos cancelados

Os bloqueios dos centros industriais e nas infraestruturas de transportes multiplicaram-se hoje em França, especialmente nas plataformas petrolíferas e centrais nucleares, em ações de protesto contra a reforma laboral.

A Confederação Geral do Trabalho indicou que a paralisação atinge as 19 centrais nucleares do país-- que geram mais de 75% da eletricidade em França-- mas não supõe que sejam desligados os 58 reatores, antes que sigam a funcionar com uma redução da carga produzida.

O acesso a muitos depósitos petrolíferos continuava hoje ao fim da manhã fechado por piquetes de greve, mesmo depois de as autoridades terem sido chamadas a desbloquear 11 situações nos últimos dias. Aliás, seis das oito refinarias do país encontram-se total ou parcialmente fechadas, segundo a União Francesa de Indústrias Petrolíferas.

Como consequência, segundo o primeiro-ministro, Manuel Valls, entre 20 a 30% das gasolineiras tinham visto esgotar todos os seus combustíveis.

Os piquetes de greve também encerraram ou bloquearam parcialmente o acesso a centros industriais, como a zona portuária de Brest, uma área de fabrico de submarinos nucleares.

Ações semelhantes ocorreram em infraestruturas estratégicas como nas pontes de Normandia e de Tancarville sobre o rio Sena, no aeroporto de Nantes, na linha férrea entre Paris e Brest ou na autoestrada entre Bordéus e Baiona.

Também os controladores aéreos franceses estão em greve, tendo levado ao cancelamento de vários voos.

Esta é a oitava jornada de mobilização convocada pelos sindicatos desde março com o objetivo de exigir a retirada do projeto de lei da reforma laboral, que os sindicalistas acusam de destruir os direitos dos trabalhadores.

A três semanas da abertura do Euro 2016 de futebol, o primeiro-ministro adiantou hoje que o projeto de lei para a reforma laboral será aprovado este verão, insistindo no argumento de que a lei "é boa para as empresas (...), boa para os trabalhadores (...) e boa para os sindicatos".

Sublinhou que está fora de questão "mudar de direção", mas admitiu que possam ocorrer algumas modificações".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...