Incêndio na Grécia: Governo substituiu chefia da polícia e bombeiros

Decisão surge dois dias após a demissão do ministro-adjunto responsável pela Proteção dos cidadãos. Governo continua a ser muito pressionado pelo incêndio no leste de Atenas que provocou 90 mortos.

Os chefes da polícia e dos bombeiros gregos foram este domingo substituídos pelo governo, que continua a ser muito pressionado pelo incêndio no leste de Atenas que provocou 90 mortos, a 23 de julho.

"A direção dos bombeiros será assegurada a partir de hoje pelo atual chefe-adjunto, general Vassilios Matheopoulos" e a da polícia pelo "atual chefe-adjunto deste corpo, o general Aristidis Andrikopoulos", indicou um breve comunicado do gabinete do primeiro-ministro Alexis Tsipras após uma reunião do Executivo.

Esta decisão surge dois dias após a demissão do ministro-adjunto responsável pela Proteção dos cidadãos, Nikos Toskas, também responsabilizado pela oposição e diversos media de "má gestão" operacional do incêndio de 23 de julho, o mais mortífero do país.

O ministro, que permanecia em funções desde 2015, tinha indicado que "a perda de tantas vidas humanas em Mati tinha demovido o [seu] desejo de continuar".

Um dia após o devastador incêndio, Toskas indicou ter proposto a sua demissão ao primeiro-ministro, que na ocasião recusou o pedido.

A responsabilidade da proteção civil foi transferida para o ministro do Interior, Panos Skourletis.

Um responsável dos bombeiros revelou hoje que duas pessoas, em estado grave devido aos incêndios nas estâncias balneares de Mati e Rafina, não resistiram aos ferimentos este fim de semana, elevando o balanço para 90 mortos.

Tsipras encontra-se sob pressão desde a passada semana por ter apenas reconhecido a "responsabilidade política" do terrível incêndio, que se propagou de forma muito rápida a partir uma colina devido aos fortes ventos, em direção à povoação de Mati e arredores, em grande parte construída num pinhal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.