Incêndio na Grécia: Governo substituiu chefia da polícia e bombeiros

Decisão surge dois dias após a demissão do ministro-adjunto responsável pela Proteção dos cidadãos. Governo continua a ser muito pressionado pelo incêndio no leste de Atenas que provocou 90 mortos.

Os chefes da polícia e dos bombeiros gregos foram este domingo substituídos pelo governo, que continua a ser muito pressionado pelo incêndio no leste de Atenas que provocou 90 mortos, a 23 de julho.

"A direção dos bombeiros será assegurada a partir de hoje pelo atual chefe-adjunto, general Vassilios Matheopoulos" e a da polícia pelo "atual chefe-adjunto deste corpo, o general Aristidis Andrikopoulos", indicou um breve comunicado do gabinete do primeiro-ministro Alexis Tsipras após uma reunião do Executivo.

Esta decisão surge dois dias após a demissão do ministro-adjunto responsável pela Proteção dos cidadãos, Nikos Toskas, também responsabilizado pela oposição e diversos media de "má gestão" operacional do incêndio de 23 de julho, o mais mortífero do país.

O ministro, que permanecia em funções desde 2015, tinha indicado que "a perda de tantas vidas humanas em Mati tinha demovido o [seu] desejo de continuar".

Um dia após o devastador incêndio, Toskas indicou ter proposto a sua demissão ao primeiro-ministro, que na ocasião recusou o pedido.

A responsabilidade da proteção civil foi transferida para o ministro do Interior, Panos Skourletis.

Um responsável dos bombeiros revelou hoje que duas pessoas, em estado grave devido aos incêndios nas estâncias balneares de Mati e Rafina, não resistiram aos ferimentos este fim de semana, elevando o balanço para 90 mortos.

Tsipras encontra-se sob pressão desde a passada semana por ter apenas reconhecido a "responsabilidade política" do terrível incêndio, que se propagou de forma muito rápida a partir uma colina devido aos fortes ventos, em direção à povoação de Mati e arredores, em grande parte construída num pinhal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.