Berlim ganhou 2.900 milhões de euros com a crise grega

Os lucros foram obtido indiretamente pela compra de títulos de dívida grega ao Banco Central Europeu

Berlim ganhou indiretamente cerca de 2.900 milhões de euros com a crise grega, segundo as conclusões tiradas da resposta do Governo alemão a uma pergunta formulada pelo grupo parlamentar alemão Os Verdes.

Os ganhos são, em parte, um resultado do programa de compra de títulos de dívida grega do Banco Central Europeu (BCE). O restante valor resulta dos ganhos do Bundesbank, banco central da Alemanha, cujos lucros são depois transferidos para os Orçamentos do Estado alemães.

Até 2017, o Bundesbank obteve ganhos com juros no valor de 3.400 milhões de euros, dos quais foram transferidos 527 milhões para o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) e 387 milhões de euros para a Grécia, fazendo com que se obtivesse um lucro de 2.500 milhões de euros.

A estes 2.500 milhões de euros juntam-se 400 milhões de euros ganhos com juros de um crédito do Banco para a Reconstrução (KfW), banco público alemão.

"Contrariamente às informações que circulam, a Alemanha obteve um considerável benefício com a crise grega. Não é aceitável que o Governo consolide os orçamentos alemães com os benefícios da crise grega ", disse Sven-Christian Kindler, porta-voz do grupo parlamentar de Os Verdes.

O partido alemão Os Verdes é partidário de um perdão da dívida grega.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.