"Grândola, Vila Morena" na primeira das "Dijsselbloem Nights"

A deputada Marisa Matias foi a DJ de serviço nesta festa contra o preconceito

Em Bruxelas, houve espetáculo de música contra "preconceitos" em relação aos países do sul. O ponto de partida foram as polémicas declarações do presidente do Eurogrupo sobre "copos e mulheres".

O grupo político que reúne vários partidos da esquerda no Parlamento Europeu juntou-se na Associação Garcia Lorca, em Bruxelas, com um espetáculo em que a eurodeputada do Bloco de Esquerda, Marisa Matias foi "DJ M&M".

O espetáculo arrancou sem hesitações, com o som da mensagem lida no posto de comando das Forças Armadas, na madrugada de 25 de Abril de 1974. Marisa Matias misturou com "a Grândola" e depois fez soar a voz de Ana Bacalhau, dos Deolinda: "Agora sim, damos a volta a isto".

"O propósito da iniciativa é desconstruir estereótipos que foram criados, e que estão muito enraizados no quadro da União Europeia", esclareceu a eurodeputada do Bloco, lamentando que tenha sido o próprio presidente do Eurogrupo quem alimentou uma ideia que considera errada na Europa.

Cartaz de Marisa Matias DJ

"Depois da crise financeira criou-se muito a ideia de que a norte vivem os virtuosos e a sul os preguiçosos. E, muita gente pensa como o senhor Dijsselbloem, só não tem é coragem de dizê-lo em voz alta", lamentou a eurodeputada na noite em que foi DJ pela primeira vez, para combater o "preconceito", com "muita música dos tempos da democracia".

"José Mário Branco, Sérgio Godinho, Jorge Palma, mas também com música nova, [como] Capicua, Blind Zero, numa mistura muito grande", foram alguns dos músicos da playlist da "DJ M&M", Marisa Matias.

A primeira Noite Dijsselbloem foi dedicada a Portugal e à Grécia. Seguem-se Itália e Espanha, Chipre e Malta. O eurodeputado do Siryza, Stelios Kouloglou disse ao DN que o próprio Jeroen Dijsselbloem foi convidado para estar presente, porém "ele disse que não poderia vir, mas partilha do nosso objetivo de combater os estereótipos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.