Grammy. Cantora pro-Trump exibe vestido "construir o muro"

A cantora e compositora Joy Villa chegou aos Grammy Awards na tarde de domingo com um vestido espampanante, a imitar o brilho de uma folha de alumínio, que nas costa tinha uma apelo à construção do muro na fronteira com o México.

A cantora de 27 anos Joy Villa levou aos Grammy Awards um vestido prata, feito num material altamente reflexivo e uma fila de pontas metálicas adornavam a sua cabeça., formando uma espécie de coroa Lady Liberty. Além disso, um colar a lembrar arame farpado e nas costas do vestido a mensagem escrita que ninguém deixou de ver: "Build the Wall" (construir o muro).

"Este é o muro", disse a jovem, conhecida apoiante de Trump, ao Los Angeles Times, ao mesmo tempo que segurava uma bolsa vermelha onde se lia o slogan da campanha do presidente americano, "Make America Great Again".

Descrita como uma "provocadora política", Villa é uma forte defensora de Trump e tem usado os Grammy para passar o seu apoio. Há dois anos causou um alvoroço quando vestiu um impressionante vestido de sereia vermelho e azul com o slogan da campanha de Trump, escrito a enormes letras brilhantes "Trump".

Em 2018, na mesma cerimónia, Villa abandonou o tema Trump para expressar a sua posição anti-aborto, estreando um vestido que ela própria pintou e que representava um feto rodeado por cores do arco-irís.

No tapete vermelho deste ano, a cantora certificou-se que não havia confusão sobre a mensagem do seu vestido, que foi criado pelo designer de Los Angeles Desi Lee Allinger-Nelson. Ao posar para as câmaras, Villa arrancou o vestido prateado para revelar uma segunda roupa por baixo - um vestido preto e branco com um desenho de tijolo provavelmente inspirado na capa do álbum "The Wall", de 1979, de Ping Floyd. Três palavras, em letras vermelhas proeminentes na parte de tràs do vestido: "Construa o muro".

"Acredito na construção do muro para proteger a nossa fronteira sul, não para manter as pessoas fora, mas para proteger os cidadãos do nosso país", disse a cantora ao Times. "Eu sou parte latina, sou negra e acredito no que o presidente diz. Isto para mim é uma representação disso, de uma forma muito visual".

À semelhança do que acontece com a discussão nacional em torno da fronteira real, as reações ao vestido de Villa dividiram-se. Alguns elogiaram a cantora pela "bravura", outros acusaram-na de ser "interesseira". Mas a cantora não foi a única a querer fazer passar uma mensagem opró-Trump. O cantor Ricky Godinez, que interpreta Ricky Rebel, vestiu uma jaqueta Trump 2020, branca e azul, com as palavras "Keep America Great!"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.