Grafitti com beijo de Bolsonaro e Trump durou 48 horas até ser apagado

Obra em Maracanaú, perto de Fortaleza, foi alvo de tinta azul, apenas 48 horas depois de ter sido desenhada por Yuri Souza, de 21 anos. Entretanto, viralizou nas redes sociais

Pela primeira vez na sua carreira, Yuri Souza, um artista de 21 anos conhecido como Bad Boy, teve um grafitti seu apagado das ruas. O desenho, em que Donald Trump e Jair Bolsonaro, presidentes de Estados Unidos e Brasil, dão um beijo na boca, foi alvo de tinta azul apenas 48 horas depois da sua execução, numa rua do bairro Jereissati 1, em Maracanaú, cidade de 230 mil habitantes nos arredores de Fortaleza, capital do Ceará. Nas redes sociais, entretanto, difundiu-se rapidamente.

"Desconfio quem possa ter sido", disse o grafiteiro ao jornal Folha de São Paulo, recordando ter sido abordado, de forma ameaçadora, por um homem enquanto desenhava. Recebeu ainda outras ameaças através das redes sociais, onde compartilhara fotografia do desenho, acabando bloqueado pelo Instagram, após denúncias de apoiantes do novo presidente do Brasil.

Beijos entre líderes políticos internacionais já serviram de inspiração a outras artistas - os mais célebres entre o mesmo Trump e o presidente russo Vladimir Putin e entre os então líderes da União Soviética, Leonid Brejnev, e da República Democrática Alemã, Erich Hönecker.

Bolsonaro quer estabelecer relação muito próxima com Trump, que diz admirar, tendo nos últimos dias recebido o conselheiro dos Estados Unidos John Bolton, a quem saudou com uma continência. E o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, viajou na semana passada a Washington onde usou um chapéu com a inscrição "Trump 2022".

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.