Governo irlandês vai infringir regras orçamentais de Bruxelas

O Governo irlandês excederá em 200 milhões de euros o limite máximo fixado pelas autoridades de Bruxelas em relação ao aumento dos gastos públicos

O Governo irlandês não cumprirá alguns objetivos orçamentais fixados para 2016 e 2017 pela União Europeia (UE), mas não deverá ser penalizado por estas infrações, afirmou esta quarta-feira o Conselho Consultivo Orçamental, um órgão nacional independente.

O Governo de Dublin apresentou na terça-feira o orçamento para o próximo ano, que inclui um pacote de estímulo à economia avaliado em 1300 milhões de euros, 500 dos quais destinados a reduzir a carga fiscal e o resto a elevar a despesa pública.

O ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, sugeriu no mês passado que esse pacote seria da ordem dos mil milhões de euros, um número que o Conselho Consultivo Orçamental (FAC, na sigla em inglês) considerou então que estava "no limite do prudente".

Depois de ter sido indicado na terça-feira que o pacote terá mais 300 milhões de euros, o FAC confirmou que o orçamento "infringirá as regras este ano e no ano seguinte", mas o desvio "não será suficiente para receber multas de Bruxelas".

O presidente deste órgão, John McHale, recordou hoje que a UE reclama de Dublin uma melhoria do saldo estrutural de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016 e 2017 para baixar o défice, mas as contas preveem uma melhoria de só 0,3% do PIB durante este ano.

Segundo o perito, o Governo irlandês também excederá em 200 milhões de euros o limite máximo fixado pelas autoridades de Bruxelas em relação ao aumento dos gastos públicos no orçamento de 2017.

O ministro das Finanças reiterou, ao apresentar as grandes linhas do orçamento, que a economia está "de boa saúde" três anos depois do fim de um programa de assistência financeira da UE e do Fundo Monetário Internacional (FMI) no valor de 85 mil milhões de euros.

Noonan disse, na mesma ocasião, que a saída do Reino Unido da UE coloca desafios ao país que exigem medidas destinadas a atenuar os efeitos do "Brexit".

O ministro indicou que o PIB crescerá 4,2% este ano e 3,5% (uma revisão em baixa) em 2017.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.