Governo grego resiste à Macedónia do Norte

Atenas e Skopje assinam hoje documento que valida nome definitivo da antiga república jugoslava. O executivo de Tsipras resistiu à oposição, mas o processo está longe do fim

Um nome é tudo. Que o diga Kyriakos Mitsotakis, o líder da Nova Democracia (centro-direita) e da oposição à coligação governamental, responsável pela moção de censura ontem debatida e rejeitada a propósito do acordo que vai ser assinado hoje entre os executivos grego e macedónio sobre o nome da antiga república jugoslava: República da Macedónia do Norte. Em 1993, o pai de Kyriakos, Konstantinos, afastou o ministro dos Negócios Estrangeiros Antonis Samaras - um duro no dossiê da Macedónia - e em consequência perdeu a maioria parlamentar. Nas eleições antecipadas perdeu para o socialista Georgios Papandreou.

Um quarto de século depois o filho de Mitsotakis e o mesmo Samaras são alguns dos protagonistas da oposição grega ao acordo que Atenas e Skopje anunciaram na terça-feira sobre o nome definitivo e oficial do que é hoje designado Antiga República Jugoslava da Macedónia (conhecido também por FYROM, sigla em inglês). De tal forma que o primeiro-ministro Alexis Tsipras acusou Mitsotakis de ser uma "lamentável caixa de ressonância do verdadeiro líder da Nova Democracia, Antonis Samaras". O líder do SYRIZA recordou ainda que o anterior líder da formação conservadora foi o responsável pelo fim do governo Mitsotakis e também de ataques a outros dirigentes, casos do presidente Konstantinos Karamanlis ou do PM Andreas Papandreou.

Neste ponto, a Nova Democracia tem a companhia da Aurora Dourada. Um deputado da formação neonazi instou o exército a prender os "traidores" Tsipras, o presidente Prokopis Pavlopoulos e o ministro da Defesa Panos Kammenos. Kostas Barbarousis vai ser investigado pelo Ministério Público e arrisca-se a ser preso, exatamente pela acusação que fez aos dirigentes do país, traição. Um crime que, pela sua gravidade, não necessita de aprovação parlamentar para ser levantada a imunidade. A prisão é um destino conhecido por vários camaradas de partido.

O tema levou à queda de um governo helénico, mas também que o novo país se mantivesse afastado da possibilidade de aceder a instituições como a União Europeia ou a Aliança Atlântica, graças ao veto grego. Para Atenas a Macedónia é a região do norte da Grécia, coração do reino da Macedónia, e tudo o mais é uma apropriação histórica e cultural do país eslavo (ver caixa).

O processo não é pacífico. Uma sondagem publicada pelo jornal Proto Thema revela que 68,3% dos gregos estão contra o acordo. Na antiga república jugoslava o acordo vai ter de passar pelo parlamento e por um referendo para depois ser ratificado pelos deputados gregos.

Enquanto Tsipras defendia o acordo, ao afirmar que este salvaguardava "os interesses nacionais e a sua História" e que a Grécia "ganhou mais um aliado nos Balcãs", manifestantes e polícia entraram em confrontos, tendo esta feito uso de gás lacrimogéneo na Praça Syntagma.

A maioria parlamentar composta por SYRIZA e ANEL (Gregos Independentes) reprovou a moção de censura, mas não sem perder um deputado (de 154 para 153 parlamentares). Dimitris Kammenos, do partido de direita, votou a favor da destituição do governo e em consequência foi expulso do partido.

Chaves da questão

Nome
- É o busílis da disputa. O problema foi criado em 1944, quando a República Federal da Jugoslávia chamou República Popular da Macedónia ao território antes denominado Vardar Banovina (província de Vardar, que é o nome do maior rio da região). Quando a Jugoslávia começou a ser desmantelada, em 1991, a república socialista adotou o nome de República da Macedónia.

História
- A coexistência da região grega da Macedónia e a República da Macedónia não é assunto pacífico. O reino da Macedónia (fundado em 808 a.C.) ocupou o território da região grega com o mesmo nome. Com a ocupação do Império romano, em 168 a.C., foi incorporada a Peónia (o que corresponde ao que é hoje a Rep. da Macedónia), bem como territórios que hoje ficam na Albânia e na Bulgária. A região grega da Macedónia foi o coração da Antiga Macedónia - 2,5 milhões de gregos dizem-se macedónios.

Posição grega
- Atenas nunca aceitou a designação de Macedónia para a região balcânica, habitada por eslavos e albaneses. "A questão do nome é um problema de dimensões regionais e internacionais, que consiste na promoção de ambições irredentistas e territoriais por parte da Antiga República Jugoslava da Macedónia, principalmente através da falsificação da história e da usurpação do património nacional, histórico e cultural da Grécia", lê-se no site do Ministério dos Negócios Estrangeiros helénico.

Acordo
- A designação oficial do país será República da Macedónia do Norte. Reconhece os naturais do país como macedónios e a língua do país como macedónio, parte do grupo de idiomas eslavos do sul - tem grandes semelhanças com o búlgaro -, e afirma que não tem relação com a antiga civilização helénica, nem à história, cultura ou herança da região macedónia da Grécia. A fronteira comum é confirmada como "duradoura e inviolável". Skopje adotara como seus vários símbolos da Macedónia grega, a começar pela bandeira (mais tarde alterada) ou figuras históricas como Alexandre, o Grande.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.