Orçamento: Governo espanhol assina acordo com Podemos. Salário mínimo sobe para 900 euros

Socialistas e o movimento Podemos assinaram um acordo que prevê também incentivos à habitação. PSOE necessita ainda do apoio de outros pequenos partidos

O Governo socialista espanhol e o Podemos assinaram esta quinta-feira um acordo sobre o projeto de Orçamento para 2019 que prevê, entre outras coisas, um aumento do salário mínimo para 900 euros e apoios à habitação.

O chefe de Governo espanhol, Pedro Sánchez, e o secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias, rubricaram o compromisso no Palácio da Moncloa, sede do executivo, numa cerimónia breve, depois de se terem reunido.

Madrid vai levar o anteprojeto de contas do Estado a Bruxelas antes de 15 de outubro, segunda-feira, como está previsto nas regras europeias, mas o PSOE (Partido Socialista espanhol) necessita ainda do apoio de outros pequenos partidos, entre eles os nacionalistas bascos e os independentistas catalães, para que o Orçamento para o ano que vem seja aprovado definitivamente.

O acordo prevê uma subida do salário mínimo dos atuais 735,9 euros para 900 euros e um aumento do orçamento para o plano nacional de habitação, com uma maior proteção para os inquilinos e a possibilidade de as autarquias regularem o preço dos alugueres.

O compromisso também inclui uma subida do IRS para os rendimentos superiores a 130.000 euros por ano e a aprovação de licenças de maternidade iguais e intransferíveis remuneradas e melhorias significativas nas ajudas às pessoas dependentes.

A prestação para quem tem filhos a cargo também sobe dos atuais 291 euros por ano para 473 euros, a fim de combater a pobreza infantil.

Para rever o défice ou aprovar um novo Orçamento o Governo espanhol precisa da aprovação do Congresso dos Deputados (câmara baixa do parlamento) e do Senado (câmara alta).

O PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) tem apenas 84 dos 350 deputados do Congresso dos deputados e hoje chegou a acordo com o Unidos Podemos (67 deputados incluindo o Podemos), necessitando ainda de obter o apoio de outras formações regionais mais pequenas.

A tarefa será mais difícil de alcançar no Senado, onde o Partido Popular (direita) tem a maioria absoluta dos votos e já indicou que irá votar contra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.