Governo espanhol aceita envio de primeiros etarras para prisões bascas

Olga Sanz Martín e Javier Moreno Ramajo foram transferidos de uma prisão em Villabona, nas Astúrias, para Basauri, em Biscaia

Olga Sanz Martín e Javier Moreno Ramajo foram presos em 1998, em Zorrosa, tendo sido condenados em 2002 pela Audiencia Nacional a 71 e 74 anos de cadeia, respetivamente, juntamente com outros 14 membros do chamado comando de Biscaia da ETA.

Os dois etarras foram condenados pela tentativa de assassinato do ex-conselheiro do Interior Juan María Atutxa, do PNV, bem como de Carlos Iturgaiz, ex-presidente do PP basco. A operação que levou ao desmantelamento do comando de Biscaia foi coordenada pelo juiz Baltasar Garzón.

Ambos tinham-se já desvinculado da organização terrorista basca e pedido perdão às vítimas. A ETA anunciou entretanto o fim da sua luta armada, o seu desarmamento e a sua dissolução definitiva.

Martín e Ramajo foram transferidos da cadeia de Villabona, nas Astúrias, para a de Basauri, em Biscaia, reportou o El País.

O governo basco entendeu a medida como um primeiro sinal do novo governo socialista de Pedro Sánchez no sentido de vir a permitir o tão falado reagrupamento de presos etarras em cadeias do País Basco para, assim, estarem mais próximos das famílias.

Citado por aquele mesmo jornal espanhol, Jesús Loza, delegado do governo para o País Basco, admitiu que a transferência destes dois presos é "um primeiro gesto" de boa vontade do Executivo sete meses após o final de todas as atividades da ETA.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.