Governo de Tsipras sobrevive a moção de censura

Oposição não consegue derrubar executivo devido à questão da Macedónia

A moção de censura ao governo grego, levado a cabo pelo principal partido da oposição, a Nova Democracia, foi rejeitada, mas a coligação SYRIZA-ANEL perdeu um deputado, que votou a favor da destituição do executivo. A votação realizou-se já na noite de sábado, ao fim de dois dias de acalorado debate.

A moção recebeu 127 votos a favor e 153 contra.

A Nova Democracia não aceitou o acordo que o líder do governo grego, Alexis Tsipras, e o homólogo macedónio, Zoran Zaev, anunciaram na terça-feira sobre o nome definitivo da Antiga República Jugoslava da Macedónia.

Enquanto os deputados debatiam, a polícia dispersou com gás lacrimogéneo manifestantes que tentaram invadir o parlamento.

Uma sondagem publicada pelo jornal Proto Thema revela que 68,3% dos gregos estão contra o acordo, que prevê a adoção do nome República da Macedónia do Norte.

O acordo, caso seja aprovado pelo parlamento macedónio e posteriormente em referendo, põe fim a um diferendo iniciado em 1991, quando a República da Macedónia declarou a independência. A Grécia não aceita a utilização do nome da sua província do norte, região central do antigo reino da Macedónia, e berço de parte significativa da cultura e história helénica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.