Governo de Macau avisa para a possibilidade de registos de casos de Zika

Segundo os dados mais recentes já foram encontrados registos de casos de Zika num total de 72 países e regiões no mundo

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam, advertiu esta terça-feira para a "grande possibilidade" de se verificarem casos importados do vírus Zika em Macau perante o cenário "preocupante" nas regiões vizinhas.

Alexis Tam deixou o alerta durante uma reunião interna de trabalho, em que "ordenou aos Serviços de Saúde e outros serviços da sua tutela a levarem a sério a situação e tomarem medidas de prevenção e de resposta [perante o eventual] aparecimento do Zika em Macau", indica um comunicado divulgado pelo seu gabinete.

"Apesar de ainda não existirem casos diagnosticados de Zika em Macau até agora, à medida que se tem agravado a epidemia nos países e regiões vizinhas, Macau enquanto cidade turística e com muito movimento de pessoas, tem uma alta possibilidade de ser afetada", advertiu Alexis Tam.

Segundo os dados mais recentes, foram sinalizados casos de Zika num total de 72 países e regiões no mundo.

Em Singapura, foram registados mais de 300 casos, tendo sido igualmente afetados outros países do Sudeste Asiático, como a Tailândia, Indonésia, Filipinas e Vietname.

Além disso, em Hong Kong, Taiwan e China também foram registados casos importados do vírus, salienta a mesma nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.