Governo de El Salvador quer despenalizar o aborto

Proposta prevê autorizar a interrupção da gravidez em caso de violação, risco de vida para a mulher ou malformação do feto

A Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), no poder em El Salvador, apresentou uma proposta no Congresso para despenalizar o aborto em caso de violação, risco de vida para a mulher ou malformação do feto que torne inviável a vida extrauterina. O aborto é atualmente punido com penas até 30 anos de prisão.

O país centro-americano tem desde 1997 uma das leis mais severas contra as mulheres que fazem um aborto, assim como para quem as ajuda, sendo a interrupção da gravidez ilegal em qualquer circunstância, junto com países como o Chile, o Vaticano, Malta, Nicarágua e República Dominicana.

"Propõem-se reformas ao código penal que permitam às mulheres e crianças abusadas sexualmente, ou em graves condições de saúde, ou em perigo de morte, medidas que permitam salvá-las", lê-se na proposta que foi apresentada na terça-feira pela presidente do Congresso Lorena Peña.

A Igreja e os grupos conservadores ainda não se pronunciaram sobre o tema, num país onde a pena de prisão por aborto é de oito anos, mas pode chegar aos 30 caso seja considerado homicídio agravado.

Segundo a Associação Cidadã pela Despenalização do Aborto, pelo menos 14 mulheres já foram condenadas a penas superiores a 12 anos de prisão por abortar, havendo outras 130 a enfrentar processos judiciais.

Para conseguir a mudança da lei, o FMLN (ex-guerrilha marxista, precisa de 43 votos dos 84 possíveis no Congresso. Atualmente conta com 31 deputados, face à oposição de direita, a Aliança Republicana Nacionalista (Arena), que tem 35.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.