Governo prolonga em 20 dias prazo para entrega de armas pelas FARC

Prazo expirava esta semana

O Governo de Bogotá e as FARC acordaram, na segunda-feira, prolongar em 20 dias o prazo para a entrega das armas por parte da guerrilha, que expirava esta semana, anunciou o Presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

"Serão mais 20 dias para o desarmamento e 60 para a reincorporação", afirmou o chefe de Estado, na noite de segunda-feira, num discurso ao país, considerando que esse período "não é nada", atendendo ao objetivo de "terminar bem 53 anos de confrontos e violência fratricida".

O período de 180 dias para a implementação da paz começou a contar em 01 de dezembro, um dia depois da ratificação, pelo Congresso, do acordo firmado em 24 de novembro, em Bogotá, mas uma série de problemas tem atrasado esse processo e levaram as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) a pedir uma extensão desse prazo em pelo menos dois meses.

Santos afirmou na segunda-feira que se têm verificado avanços no desarmamento completo e definitivo das FARC nos últimos seis meses e que, apesar dos atrasos sofridos, principalmente devido a problemas logísticos na construção das denominadas zonas transitórias de normalização, onde estão concentrados 6.934 guerrilheiros, esse processo tem sido "ordenado" e "seguro".

"Contudo, devido aos atrasos acumulados devido aos problemas que mencionei, decidimos, em comum acordo com as Nações Unidas e as FARC, que [o prazo para] a entrega das armas terminará não amanhã [hoje, 30 de maio], como estava previsto, mas antes dentro de 20 dias", explicou Juan Manuel Santos.

Pelas mesmas razões, as partes decidiram prolongar por "mais dois meses, até 01 de agosto", a vigência das zonas transitórias de normalização, onde é suposto que os antigos guerrilheiros depositem as armas e se prepararem para regressar à vida civil sob supervisão da ONU.

"Este tempo adicional permitir-nos-á pôr devidamente em marcha o processo de reincorporação na vida civil e sem armas dos ex-membros das FARC", sublinhou o chefe de Estado colombiano.

Santos destacou ainda que a mudança da data "não afeta, de modo algum, a firme decisão e o claro compromisso do Governo e das FARC em cumprir o acordo".

"O Mecanismo de Monitorização e Verificação vai continuar a exercer o seu papel até se certificar que a última arma das FARC foi entregue e retirada do território nacional", realçou.

Juan Manuel Santos referia-se ao mecanismo tripartido responsável por supervisionar o cumprimento do cessar-fogo bilateral e definitivo, em que participam representantes da ONU, do governo colombiano e das FARC.

O Presidente colombiano afirmou que o cessar-fogo "tem funcionado", dado que desde o seu início, há seis meses, "não houve um único confronto" entre as forças de segurança e membros das FARC: "Nem um ferido, nem um morto. Mais importante ainda: não houve nem um único incidente ou ataque contra a população civil".

Após recordar o trabalho que o governo que lidera tem levado a cabo, a par com o Congresso, com vista à implementação de "leis, reformas e programas que tornarão a paz numa realidade", o chefe de Estado colombiano garantiu haver progressos com vista a esse objetivo.

"Cumpridos estes primeiros seis meses desde a assinatura do acordo, podemos dizer, sem margem para dúvidas, que a paz é irreversível. Não vamos voltar atrás. De maneira nenhuma vamos recuar aos tempos terríveis da violência, do medo, dos assassínios e dos massacres. A Colômbia está a deixar para trás essa história de sangue e dor para sempre", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.