Governo autoriza boletins de voto fotocopiados nas eleições

O governo colombiano autorizou o uso de fotocópias nas eleições de hoje na sequência de denúncias que davam conta da inexistência de boletins de voto suficientes nas assembleias de voto, informou o ministro do Interior Guillermo Rivera.

Numa conferência de imprensa, o ministro do Interior disse ter tomado a decisão depois de ouvir as reclamações do partido de direita Centro Democrático e de falar com Juan Carlos Galindo, titular do Registo Nacional do Estado Civil, entidade que organiza as eleições.

Galindo reconheceu ter havido algunas assembleias de voto onde faltaram boletins eleitorais.

"Imprimimos 15 milhões de boletins para cada uma das consultas. Em alguns locais, as pessoas afluíram em massa às urnas", assegurou.

Face a esta situação, a opção foi "levar boletins de assembleias próximas e usar fotocópias para suprir as necessidades".

O resultado destas eleições para o senado e para a câmara de representantes abrirá as portas para a formação de alianças para as presidenciais de 27 de março.

O ex-presidente Alvaro Uribe denunciou hoje que em muitas assembleias de voto de Bogotá, Medellin e Cali os eleitores não receberam boletim relativo aos candidatos da direita enquanto os candidatos de esquerda Gustavo Petro e Carlos Caicedo reclamaram que também não havia boletins cor de laranja que os identificam.

Com o passar das horas, começaram a surgir denúncias de que os boletins não faltavam apenas EM Bogotá e Medellin, mas também em Cali, Manizales y Cúcuta.

As eleições de hoje na Colômbia, as mais tranquilas das últimas décadas, ficaram ensombrada por denúncias de irregularidades tanto dos partidos de esquerda como dos de direita.

As denúncias de falta de transparência cresceram ao longo da manhã depois de vários votantes do partido de Alvaro Uribe e de seguidores do esquerdista Gustavo Petro terem chamado a atenção para a falta de boletins.

Barranquilla, Manizales, Montería, Ibagué, Popayán, Bucamaranga e Cartago foram outros locais onde faltaram boletins, o que levou o governo a autorizar a votação em fotocópias.

Estas eleições são cruciais porque definirão o apoio que o próximo Presidente terá para governar e terá um Parlamento cuja novidade será a presença de dez membros das FARC (agora Força Alternativa Revolucionária Comum), cinco em cada casa legislativa, independentemente do número de votos obtidos, já que foi assim determinado no acordo de paz com a ex-guerrilha.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.