Governo colombiano alarga prazo para desmantelar esconderijos de armas das FARC

Prazo foi prolongado por seis meses

O Governo colombiano estendeu por seis meses o prazo para a extração de armamento e material instável dos esconderijos das Forças Armadas Revolucionárias (FARC), anunciou esta terça-feira o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

"Habilitou-se a força pública por um período de mais seis meses para continuar a extração desse armamento explosivo sob os mesmos protocolos que se aplicavam quando eram as Nações Unidas", disse Villegas, num comunicado sobre a medida que entrou em vigor na passada sexta-feira.

Esses trabalhos eram anteriormente realizados pela Missão das Nações Unidas na Colômbia.

Villegas recordou que a antiga guerrilha das FARC facultou informações relativamente à localização de 972 esconderijos, dos quais 759 foram verificados. Segundo o acordo entre as partes, a verificação dos restantes redutos da guerrilha é responsabilidade das forças colombianas.

"Os 277 que faltam serão verificados em três fases, com aproximadamente 90 esconderijos por fase, cada uma com a duração de 30 dias, e sempre sob a coordenação da Polícia Nacional com as Forças Militares e com financiamento do Fundo Paz", acrescentou.

A missão da ONU na Colômbia deu por concluído, em 15 de setembro, o desmantelamento de 750 dos 972 esconderijos das FARC dispersos pelo país, de onde foram retiradas 1.238 armas e 26.489 quilos de explosivos diversos.

A ONU recuperou ainda 488.489 munições de diferentes calibres de armas ligeiras, 4.277 granadas, 2.647 minas antipessoais, e 1.767 granadas de morteiro, entre outros, informou na altura a missão, em comunicado.

Em novembro de 2016, o Governo colombiano e as FARC assinaram um acordo de paz, mediante o qual a guerrilha se converteu, a 01 de setembro passado, num partido político.

O acordo de paz prevê ainda o regresso dos membros da FARC à vida em sociedade, após a conclusão do desarmamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.