Governo colombiano alarga prazo para desmantelar esconderijos de armas das FARC

Prazo foi prolongado por seis meses

O Governo colombiano estendeu por seis meses o prazo para a extração de armamento e material instável dos esconderijos das Forças Armadas Revolucionárias (FARC), anunciou esta terça-feira o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

"Habilitou-se a força pública por um período de mais seis meses para continuar a extração desse armamento explosivo sob os mesmos protocolos que se aplicavam quando eram as Nações Unidas", disse Villegas, num comunicado sobre a medida que entrou em vigor na passada sexta-feira.

Esses trabalhos eram anteriormente realizados pela Missão das Nações Unidas na Colômbia.

Villegas recordou que a antiga guerrilha das FARC facultou informações relativamente à localização de 972 esconderijos, dos quais 759 foram verificados. Segundo o acordo entre as partes, a verificação dos restantes redutos da guerrilha é responsabilidade das forças colombianas.

"Os 277 que faltam serão verificados em três fases, com aproximadamente 90 esconderijos por fase, cada uma com a duração de 30 dias, e sempre sob a coordenação da Polícia Nacional com as Forças Militares e com financiamento do Fundo Paz", acrescentou.

A missão da ONU na Colômbia deu por concluído, em 15 de setembro, o desmantelamento de 750 dos 972 esconderijos das FARC dispersos pelo país, de onde foram retiradas 1.238 armas e 26.489 quilos de explosivos diversos.

A ONU recuperou ainda 488.489 munições de diferentes calibres de armas ligeiras, 4.277 granadas, 2.647 minas antipessoais, e 1.767 granadas de morteiro, entre outros, informou na altura a missão, em comunicado.

Em novembro de 2016, o Governo colombiano e as FARC assinaram um acordo de paz, mediante o qual a guerrilha se converteu, a 01 de setembro passado, num partido político.

O acordo de paz prevê ainda o regresso dos membros da FARC à vida em sociedade, após a conclusão do desarmamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.