Governo diz que resultado do PIB é histórico e que recessão acabou

"O Brasil voltou a crescer. E com as reformas vai crescer mais ainda", disse o presidente Michel Temer

O ministro das Finanças, Henrique Meirelles, afirmou hoje que o Brasil vive um dia "histórico" após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciar que o Produto Interno Bruto (PIB) do país cresceu 1% no primeiro trimestre de 2017.

"O Brasil perdeu a confiança dos investidores e a confiança em si mesmo", disse num comunicado de imprensa.

Hoje é um dia histórico. Depois de dois anos, o Brasil saiu da pior recessão do século. Neste período, milhões de brasileiros perderam seus empregos, milhares de empresas quebraram e o Estado caminhou para a insolvência.

"O forte crescimento da economia neste início de ano é uma comprovação de que este processo já mudou. Ainda há um caminho a ser percorrido para alcançarmos a plena recuperação económica, mas estamos na direção correta", completou Henrique Meirelles.

Já o Presidente do Brasil, Michel Temer, usou a rede social Twitter para se manifestar sobre os resultados da economia nos três primeiros meses do ano.

"Acabou a recessão! Isso é resultado das medidas que estamos tomando. O Brasil voltou a crescer. E com as reformas vai crescer mais ainda", escreveu o chefe de Estado.

O PIB brasileiro cresceu 1% no primeiro trimestre do ano, puxado principalmente pela alta do setor agropecuário de 13,4%. Foi o primeiro resultado positivo registado pelo país desde dezembro de 2014.

Economistas do mercado financeiro preveem que o país sul-americano vai começar a sair da crise neste ano e que seu PIB crescerá 0,49%.

Para 2018, a previsão é de que as riquezas produzidas no Brasil registem um crescimento de 2,48%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.