Brasil condena atentados contra igrejas cristãs coptas

O Brasil condenou hoje os ataques contra duas igrejas cristãs coptas no Egipto, que provocaram mais de 30 mortos e dezenas de feridos, segundo um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro.

"O Governo brasileiro tomou conhecimento, com profunda consternação, das duas explosões ocorridas em igrejas coptas nas cidades de Tanta e Alexandria, no Egito, durante a celebração do Domingo de Ramos, que deixaram ao menos 36 mortos e 95 feridos", refere a nota.

Segundo o comunicado, "ao expressar suas condolências às famílias das vítimas, seus votos de plena recuperação aos feridos e sua solidariedade com o povo e o Governo do Egipto, o Brasil reitera sua condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, independente de sua motivação".

Mais de 30 pessoas morreram hoje e várias dezenas ficaram feridas em dois atentados contra igrejas cristãs coptas nas cidades de Tanta e Alexandria, no norte do Egipto, indicaram fontes ligadas à segurança e ao Ministério da Saúde.

Os cristãos coptas são cerca de 10% da população do Egipto e são frequentemente alvo de ataques por parte dos extremistas islâmicos.

O grupo extremista Estado Islâmico (EL) reivindicou os dois atentados de hoje no Egipto em igrejas coptas.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.