Governadora brasileira promete fechar temporariamente fronteira com a Venezuela

Roraima fecha fronteira para lidar com "crescimento da criminalidade"

A governadora do Estado brasileiro de Roraima, Suely Campos, prometeu fechar temporariamente a fronteira e pediu a Brasília que envie reforços "para lidar com o crescimento da criminalidade" ligada, segundo a política, aos imigrantes.

O Ministério da Segurança Pública do Brasil prometeu enviar 60 soldados adicionais que se juntarão, na segunda-feira, à tropa que já está no local.

A cidade brasileira de Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, foi palco no sábado de violência e tensão na sequência de vários ataques de brasileiros aos acampamentos de imigrantes venezuelanos.

Segundo a Força Tarefa Humanitária, da Organização das Nações Unidas (ONU), que está no local, os ataques começaram depois de um comerciante local ter sido assaltado na noite de sexta-feira, supostamente por venezuelanos que vivem na cidade.

Em resposta aos incidentes em Pacaraima, o Ministério dos Negócios Estrangeiros venezuelano pediu às autoridades brasileiras "garantias de respeito aos cidadãos venezuelanos e medidas para a proteção e segurança das famílias e de suas propriedades".

No primeiro semestre, cerca de 56.740 venezuelanos procuraram legalizar a sua situação no Brasil, para obter o direito de refúgio ou residência temporária.

A Venezuela ainda está a enfrentar uma grave crise política, económica e social.

As tensões migratórias estão a espalhar-se a outros países latino-americanos, alimentadas pelas crises na Venezuela, mas também na Nicarágua, onde o Presidente Daniel Ortega reprime os movimentos de protesto contra o seu Governo.

No Peru e no Equador, os imigrantes venezuelanos estão presos na fronteira, onde estão a ser solicitados passaportes, o que a maioria não possui, em vez de um simples cartão de cidadão.

Na semana passada, cerca de 20.000 venezuelanos entraram no Peru, segundo as autoridades de Lima, que adotaram as medidas de restrição em vigor até 25 de agosto.

As autoridades colombianas temem que os controlos de fronteira instituídos no Equador desde sábado, após o estabelecimento de um estado de imigração de emergência, deixem milhares de venezuelanos retidos no seu país.

Cerca de 3.000 pessoas cruzam a fronteira da Colômbia com o Equador todos os dias na cidade de Rumichaca.

As Nações Unidas estimam que 2,3 milhões de venezuelanos saíram do seu país, fugindo da pobreza e a procura de trabalho. Mais de 800.000 estão na Colômbia, onde têm o direito temporário de residência.

Muitos venezuelanos pretendem alcançar países mais distantes como Peru, Chile, Argentina ou Uruguai.

Por outro lado, na Costa Rica centenas de pessoas manifestaram-se no sábado, por vezes violentamente e a agitar símbolos nazistas, para denunciar os imigrantes da Nicarágua.

Alguns dos manifestantes convergiram para o Parque La Merced, no centro de San José, querendo atacar os imigrantes, mas segundo o ministro da Segurança costaRriquenho, Michael Soto, a polícia conseguiu impedir as agressões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.