Google eliminou 3.200 "maus anúncios" em 2017

O relatório divulgado hoje também diz que o Google bloqueou no ano passado mais de 12 mil sites

A Google eliminou em 2017 mais de 3.200 milhões de "maus" anúncios", quatro vezes mais do que em 2015, segundo um relatório da empresa apresentado hoje.

No relatório consta informação sobre o número de anúncios incorretos que foram desativados no ano passado por más práticas e os 'sites' que foram removidos.

O relatório inclui também detalhes sobre novas políticas do Google para eliminar incentivos económicos que "suportam anúncios e 'sites' mal-intencionados e para aqueles que promovem publicidade enganosa e conteúdo inapropriado".

Milhares de funcionários trabalham para manter o ecossistema de publicidade digital do Google "seguro", com o compromisso de que o número de trabalhadores com esta função exceda 10.000 este ano, de acordo com o documento

"À medida que emergem novas ameaças, a empresa atualiza a sua política ou projeta novas para proteger os utilizadores e o ecossistema publicitário", explicou Jessica Stansfield, diretora global de política de produtos no Google.

Milhares de funcionários trabalham para manter o ecossistema de publicidade digital do Google "seguro", com o compromisso de que o número de trabalhadores com esta função exceda 10.000 este ano, de acordo com o documento.

Em 2017, o Google bloqueou mais de 12.000 sites, mais dois mil do que em 2016 (10.000).

Mais de 130 milhões de anúncios com "atividade maliciosa ou que tentavam enganar e ignorar os processos de revisão de anúncios do Google" também foram removidos

Além disso, suspendeu mais de 7.000 contas do Google AdWords com "anúncios que pareciam enganar os utilizadores como se fossem novidades ("tabloid cloaking"), em comparação com os 1.400 eliminados em 2016".

No ano passado, mais de 130 milhões de anúncios com "atividade maliciosa ou que tentavam enganar e ignorar os processos de revisão de anúncios do Google" também foram removidos da plataforma.

A empresa também introduziu uma nova tecnologia que suprime anúncios mensais de mais de dois milhões de URL ou endereços na Internet e, desde abril. Foram também retirados 8.700 anúncios por discriminação e intolerância.

Nos primeiros seis meses de 2017, mais de 11 mil 'sites' foram revistos por alegada violação da política de conteúdos falsos, tendo sido mais de 650 bloqueados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.