Google eliminou 3.200 "maus anúncios" em 2017

O relatório divulgado hoje também diz que o Google bloqueou no ano passado mais de 12 mil sites

A Google eliminou em 2017 mais de 3.200 milhões de "maus" anúncios", quatro vezes mais do que em 2015, segundo um relatório da empresa apresentado hoje.

No relatório consta informação sobre o número de anúncios incorretos que foram desativados no ano passado por más práticas e os 'sites' que foram removidos.

O relatório inclui também detalhes sobre novas políticas do Google para eliminar incentivos económicos que "suportam anúncios e 'sites' mal-intencionados e para aqueles que promovem publicidade enganosa e conteúdo inapropriado".

Milhares de funcionários trabalham para manter o ecossistema de publicidade digital do Google "seguro", com o compromisso de que o número de trabalhadores com esta função exceda 10.000 este ano, de acordo com o documento

"À medida que emergem novas ameaças, a empresa atualiza a sua política ou projeta novas para proteger os utilizadores e o ecossistema publicitário", explicou Jessica Stansfield, diretora global de política de produtos no Google.

Milhares de funcionários trabalham para manter o ecossistema de publicidade digital do Google "seguro", com o compromisso de que o número de trabalhadores com esta função exceda 10.000 este ano, de acordo com o documento.

Em 2017, o Google bloqueou mais de 12.000 sites, mais dois mil do que em 2016 (10.000).

Mais de 130 milhões de anúncios com "atividade maliciosa ou que tentavam enganar e ignorar os processos de revisão de anúncios do Google" também foram removidos

Além disso, suspendeu mais de 7.000 contas do Google AdWords com "anúncios que pareciam enganar os utilizadores como se fossem novidades ("tabloid cloaking"), em comparação com os 1.400 eliminados em 2016".

No ano passado, mais de 130 milhões de anúncios com "atividade maliciosa ou que tentavam enganar e ignorar os processos de revisão de anúncios do Google" também foram removidos da plataforma.

A empresa também introduziu uma nova tecnologia que suprime anúncios mensais de mais de dois milhões de URL ou endereços na Internet e, desde abril. Foram também retirados 8.700 anúncios por discriminação e intolerância.

Nos primeiros seis meses de 2017, mais de 11 mil 'sites' foram revistos por alegada violação da política de conteúdos falsos, tendo sido mais de 650 bloqueados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.