"Gina é a maior". Trump elogia livro sobre a sua sabedoria

Com a costa Leste dos EUA ameaçada pelo furacão Florence, o presidente arranjou tempo para saudar a autora de "Mad Politics: Keeping your sanity in a World Gone Crazy", literalmente - Política Louca: Manter a Sanidade num Mundo Enlouquecido

"O meu livro usa a ciência e verdadeiro teoria psicológica para explicar porque é bastante possível que este presidente seja a pessoa mais sensata que já ocupou a Casa Branca", garantia Gina Loudon no programa de Sean Hannity na FOX News.

Conhecida como Dr.Gina, a autora, colunista e comentadora, colaboradoras frequente da conservadora FOX News e colaboradora do site Breitbart, ligado à extrema-direita americana lançou recentemente o livro "Mad Politics: Keeping your sanity in a World Gone Crazy", literalmente - Política Louca: Manter a Sanidade num Mundo Enlouquecido. Um trabalho que lhe valeu um elogio de Trump no Twitter.

"Gina é a maior", escreveu o presidente, encontrando tempo para um elogio na sua rede social preferida, apesar de a costa leste dos EUA estar sob ameaça do furacão Florence.

Descrevendo-se a si própria como membro do Donald Trump for Presidente Media Advisory Board - um grupo de conselheiros do presidente, Gina Loudon reagiu no programa de Sean Hannity ao artigo de opinião anónimo publicado no The New York Times por um membro da Administração no qual este denuncia a oposição interna a Trump. Um cenário que a Dr. Gina desvaloriza, considerando o artigo como "uma síndroma de perturbação ligado a Trump".

Afirmando-se detentora de um doutoramento em Psciologia, Loudon garantiu ter usado a sua experiência nessa área para determinar no seu livro a saúde mental do presidente. Perante a afirmação da autora de que Trump é a pessoa mais mentalmente sã a ocupar a Casa Branca, Hannity ri-se e garante: Literalmente, a cabeça dos líderes liberais vai explodir depois de ouvirem o que acaba de dizer".

Na Amazon, Gina Loudon é apresentada como "a perita em psicologia favorita da América". Mas a verdade é que têm surgido dúvidas sobre o seu doutoramento. Na biografia que apresenta no seu site oficial, a autora garante ser doutorada, mas não especifica em que área. No LinkedIn, a própria garante ter feito o doutoramento na Universidade Fielding Graduate em Desenvolvimento Humano.

A relação de Loudon com Trump parece ser bastante próxima. Em outubro de 2017, a autora gravou um vídeo na Trump Tower para a página de Facebook do presidente em que se apresenta como Dra Gina.

Para o The Washington Post, a verdadeira dúvida agora é saber se o apoio de Trump vai aumentar as vendas do livro de Loudon.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.