"Gina é a maior". Trump elogia livro sobre a sua sabedoria

Com a costa Leste dos EUA ameaçada pelo furacão Florence, o presidente arranjou tempo para saudar a autora de "Mad Politics: Keeping your sanity in a World Gone Crazy", literalmente - Política Louca: Manter a Sanidade num Mundo Enlouquecido

"O meu livro usa a ciência e verdadeiro teoria psicológica para explicar porque é bastante possível que este presidente seja a pessoa mais sensata que já ocupou a Casa Branca", garantia Gina Loudon no programa de Sean Hannity na FOX News.

Conhecida como Dr.Gina, a autora, colunista e comentadora, colaboradoras frequente da conservadora FOX News e colaboradora do site Breitbart, ligado à extrema-direita americana lançou recentemente o livro "Mad Politics: Keeping your sanity in a World Gone Crazy", literalmente - Política Louca: Manter a Sanidade num Mundo Enlouquecido. Um trabalho que lhe valeu um elogio de Trump no Twitter.

"Gina é a maior", escreveu o presidente, encontrando tempo para um elogio na sua rede social preferida, apesar de a costa leste dos EUA estar sob ameaça do furacão Florence.

Descrevendo-se a si própria como membro do Donald Trump for Presidente Media Advisory Board - um grupo de conselheiros do presidente, Gina Loudon reagiu no programa de Sean Hannity ao artigo de opinião anónimo publicado no The New York Times por um membro da Administração no qual este denuncia a oposição interna a Trump. Um cenário que a Dr. Gina desvaloriza, considerando o artigo como "uma síndroma de perturbação ligado a Trump".

Afirmando-se detentora de um doutoramento em Psciologia, Loudon garantiu ter usado a sua experiência nessa área para determinar no seu livro a saúde mental do presidente. Perante a afirmação da autora de que Trump é a pessoa mais mentalmente sã a ocupar a Casa Branca, Hannity ri-se e garante: Literalmente, a cabeça dos líderes liberais vai explodir depois de ouvirem o que acaba de dizer".

Na Amazon, Gina Loudon é apresentada como "a perita em psicologia favorita da América". Mas a verdade é que têm surgido dúvidas sobre o seu doutoramento. Na biografia que apresenta no seu site oficial, a autora garante ser doutorada, mas não especifica em que área. No LinkedIn, a própria garante ter feito o doutoramento na Universidade Fielding Graduate em Desenvolvimento Humano.

A relação de Loudon com Trump parece ser bastante próxima. Em outubro de 2017, a autora gravou um vídeo na Trump Tower para a página de Facebook do presidente em que se apresenta como Dra Gina.

Para o The Washington Post, a verdadeira dúvida agora é saber se o apoio de Trump vai aumentar as vendas do livro de Loudon.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.