Gilberto Gil e Chico Buarque pedem liberdade para Lula em festival no Rio

Milhares de cariocas reuniram-se ao longo da tarde e noite de sábado e madrugada de domingo nos Arcos da Lapa, bairro no centro do Rio de Janeiro, para pedir liberdade para Lula da Silva no Festival Lula Livre. Da manifestação constaram espetáculos de músicos como Chico Buarque e Gilberto Gil.

Chico César, Beth Carvalho, Jards Macalé, Noca da Portela, Nelson Sargento e Odair José também atuaram no que foi chamado pela organização de "ato cultural e político em defesa da democracia e contra a prisão de Lula".

Atores, como Fábio Assunção e Lucélia Santos, subiram ainda ao palco. "É um gesto de exigência que se faça justiça e que se faça valer a democracia, todo o processo de Lula foi um erro, não é opinião é constatação", afirmou Lucélia.

No evento, cujo número exato de participantes não foi divulgado pela polícia militar mas que reuniu, de acordo com a imprensa local, "alguns milhares de manifestantes", não houve incidentes. A não ser a remoção, pelas autoridades, de um boneco insuflável com o rosto do antigo presidente, por ser considerado propaganda política, ainda antes do início da campanha eleitoral oficial. "Estão tentando nos silenciar", disse o dono do boneco.

Muitos dos presentes usaram, no entanto, máscaras com a cara de Lula e, pelo Rio, foram afixados outdoors anunciando a manifestação.

Lula está preso em Curitiba desde março, a cumprir pena de 12 anos e um mês de prisão, pela posse de um apartamento na praia do Guarujá, em São Paulo, no âmbito da Operação Lava-Jato.

Pré-candidato a presidente pelo Partido dos Trabalhadores (PT), apesar da sua situação legal, o presidente brasileiro de 2003 a 2010 lidera todos os cenários de todas as sondagens para as eleições de outubro. Caso seja impedido de concorrer, o PT avançará com o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como plano B.

Em São Paulo

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.