Gilberto Gil e Chico Buarque pedem liberdade para Lula em festival no Rio

Milhares de cariocas reuniram-se ao longo da tarde e noite de sábado e madrugada de domingo nos Arcos da Lapa, bairro no centro do Rio de Janeiro, para pedir liberdade para Lula da Silva no Festival Lula Livre. Da manifestação constaram espetáculos de músicos como Chico Buarque e Gilberto Gil.

Chico César, Beth Carvalho, Jards Macalé, Noca da Portela, Nelson Sargento e Odair José também atuaram no que foi chamado pela organização de "ato cultural e político em defesa da democracia e contra a prisão de Lula".

Atores, como Fábio Assunção e Lucélia Santos, subiram ainda ao palco. "É um gesto de exigência que se faça justiça e que se faça valer a democracia, todo o processo de Lula foi um erro, não é opinião é constatação", afirmou Lucélia.

No evento, cujo número exato de participantes não foi divulgado pela polícia militar mas que reuniu, de acordo com a imprensa local, "alguns milhares de manifestantes", não houve incidentes. A não ser a remoção, pelas autoridades, de um boneco insuflável com o rosto do antigo presidente, por ser considerado propaganda política, ainda antes do início da campanha eleitoral oficial. "Estão tentando nos silenciar", disse o dono do boneco.

Muitos dos presentes usaram, no entanto, máscaras com a cara de Lula e, pelo Rio, foram afixados outdoors anunciando a manifestação.

Lula está preso em Curitiba desde março, a cumprir pena de 12 anos e um mês de prisão, pela posse de um apartamento na praia do Guarujá, em São Paulo, no âmbito da Operação Lava-Jato.

Pré-candidato a presidente pelo Partido dos Trabalhadores (PT), apesar da sua situação legal, o presidente brasileiro de 2003 a 2010 lidera todos os cenários de todas as sondagens para as eleições de outubro. Caso seja impedido de concorrer, o PT avançará com o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como plano B.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.