Georgia, nos EUA, superou o recorde anual de execuções

Execução de um homem de 63 anos foi a sétima em 2016 no Estado norte-americano. Trata-se do número mais elevado num ano desde que a pena de morte foi restaurada, há quatro décadas

O estado norte-americano da Georgia executou na quarta-feira um homem condenado pelo assassínio de um polícia há duas décadas, em Atlanta, superando o seu recorde anual de execuções.

Gregory Lawler, de 63 anos, foi declarado morto às 23:49 (04:49 em Lisboa), depois de receber uma injeção letal no estabelecimento prisional de Jackson, a sul de Atlanta, a capital do estado, informaram as autoridades.

A sua execução foi a sétima de 2016 na Georgia, o número mais elevado num ano registado nesse estado desde que a pena de morte foi restaurada há quatro décadas.

O anterior recorde remonta a 2015 e a 1987, cada um com cinco execuções.

Desde o início do ano, quatro estados executaram 17 presos nos Estados Unidos.

Texas e Georgia, com sete cada um, lideram a lista, num dos anos com menos execuções das últimas décadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?