Georgia, nos EUA, superou o recorde anual de execuções

Execução de um homem de 63 anos foi a sétima em 2016 no Estado norte-americano. Trata-se do número mais elevado num ano desde que a pena de morte foi restaurada, há quatro décadas

O estado norte-americano da Georgia executou na quarta-feira um homem condenado pelo assassínio de um polícia há duas décadas, em Atlanta, superando o seu recorde anual de execuções.

Gregory Lawler, de 63 anos, foi declarado morto às 23:49 (04:49 em Lisboa), depois de receber uma injeção letal no estabelecimento prisional de Jackson, a sul de Atlanta, a capital do estado, informaram as autoridades.

A sua execução foi a sétima de 2016 na Georgia, o número mais elevado num ano registado nesse estado desde que a pena de morte foi restaurada há quatro décadas.

O anterior recorde remonta a 2015 e a 1987, cada um com cinco execuções.

Desde o início do ano, quatro estados executaram 17 presos nos Estados Unidos.

Texas e Georgia, com sete cada um, lideram a lista, num dos anos com menos execuções das últimas décadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.