Georgia faz quinta execução de condenado à morte deste ano

2016 fica assim em pé de igualdade com 2015 e 1987, os anos com mais execuções feitas na Georgia. Mas ainda só estamos em abril

O estado norte-americano da Georgia executou hoje um homem condenado à morte, a quinta execução que faz este ano.

Daniel Anthony Lucas, de 37 anos, condenado pelo homicídio de três pessoas em 1998 (um homem e os seus dois filhos), morreu com uma injeção letal numa prisão no sul de Atalanta.

O crime pelo qual foi condenado foi cometido quando roubava a casa da família que matou.

A quinta execução do ano na Georgia iguala o número de execuções feitas neste estado em 2015 e em 1987. Estes foram os dois anos com mais execuções na Georgia até agora.

No total, uma mulher e 63 homens foram executados neste estado norte-americano desde a reintrodução da pena de morte, em 1976.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.