Garimpeiros invadem e incendeiam escritórios estatais na Amazónia

De acordo com as autoridades locais, cerca de 500 pessoas participaram no ataque, que aconteceu em resposta a uma operação de combate a extrações ilegais de ouro no rio Madeira

Um grupo de garimpeiros invadiu e incendiou vários escritórios de organizações ambientais estatais numa localidade no sul do Estado do Amazonas, depois de uma operação realizada esta semana contra a extração ilegal, segundo os meios de comunicação locais.

Centenas de pessoas lideradas por garimpeiros incendiaram os escritórios do Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária (INCRA), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) no município de Humaitá, a cerca de 800 quilómetros da capital, Manaus.

De acordo com as autoridades locais, cerca de 500 pessoas participaram no ataque, que aconteceu em resposta a uma operação de combate a extrações ilegais de ouro no rio Madeira.

"Perdemos edifícios, documentos, arquivos, equipas e processos, mas felizmente os nossos trabalhadores estão a salvo", disse o vice-presidente do Ibama em Amazonas, José Leland, que acrescentou que, no seguimento do ataque, vários funcionários que trabalham em Humaitá foram colocados sob proteção policial.

Os garimpeiros atuaram durante a noite, em resposta a uma operação de combate à exploração ilegal das minas, liderada pelo Ibama, ter destruído 35 jangadas de pesquisa de ouro, o que gerou uma enorme insatisfação entre os familiares dos trabalhadores.

"Apesar desse ataque, não nos vamos curvar a esse crime. Vamos continuar com a operação e destruir as balsas que sobraram. O garimpo no rio Madeira é um ultraje", disse Leland ao site noticioso Amazonia Real.

"Os garimpeiros estavam sem licença, numa área embargada, sem nenhum mecanismo de controlo de mercúrio, alterando o leito da navegação do rio e tudo isso em frente da cidade, perto do porto", criticou o responsável policial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.