Furacões Irma e Harvey deverão custar 241 mil milhões de euros

Os furacões Irma e Harvey vão custar 290 mil milhões de dólares (241 mil milhões de euros) ou 1,5 pontos percentuais do PIB dos Estados Unidos, de acordo com uma estimativa do Serviço de Meteorologia privado Accuweather.

"As estimativas dos prejuízos provocados pelo Irma devem aumentar para cerca de 100 mil milhões de dólares, tornando-o num dos furacões com os maiores custos de sempre", afirmou o fundador e CEO do Accuweather, Joel N. Myers, indicando que tal corresponde a meio ponto percentual da economia norte-americana.

"Estimamos que o furacão Harvey seja a catástrofe meteorológica mais cara da história dos Estados Unidos, com um valor na ordem dos 190 mil milhões de dólares, ou seja, o equivalente a um ponto percentual do Produto Interno Bruto" dos Estados Unidos, sublinhou.

Os prejuízos resultantes dos dois furacões vão equivaler assim a 1,5 pontos percentuais do PIB, o que vai anular o crescimento económico previsto entre meados de agosto e o fim do ano, de acordo com o mesmo responsável.

A Accuweather lista uma série de itens responsáveis pelos custos mais elevados, entre os quais figuram a suspensão da atividade das empresas, o aumento do desemprego que pode estender-se por meses, ou a destruição de infraestruturas, afetando os transportes, ou perdas agrícolas, como do cultivo de algodão ou da colheita de laranjas que, por seu lado, têm um efeito ricochete nos preços no consumidor, ou a subida dos preços dos combustíveis, sem falar nos danos em habitações e/ou viaturas, antiguidades ou outras peças de arte.

Apenas uma parte dos prejuízos vai ser coberta pelas seguradoras, afirmou Joel Myers, sublinhando que boa parte ficará de parte, como as despesas incorridas pelos milhões de pessoas que foram obrigadas a deixar as suas casas.

O Irma que atingiu duramente as Keys, um arquipélago de ilhas turísticas, na manhã de domingo, move-se rumo a norte e ameaça Tampa, cidade da costa oeste do estado da Flórida.

O Harvey, que tocou terra no sudeste do Texas em finais de agosto, provocou, por seu turno, avultados prejuízos materiais e paralisou a quarta maior cidade dos Estados Unidos, Houston, onde foram registadas inundações sem precedentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.