Furacão Michael passa a tempestade tropical

Já há dois mortos. Casas e portos costeiros ficaram em escombros nos estados da Florida e Geórgia.

Com a chegada ao estado da Georgia, nos EUA, o furacão Michael baixou de categoria e passou a tempestade tropical, mas continua a deixar um rasto de destruição, com fortes chuvas e ventos fortes. E para já, segundo as autoridades, citadas pela CNN, há um morto a lamentar, no condado de Seminole, Geórgia, uma criança de 11 anos que terá sido atingida por algo que caiu na sua casa.

Segundo informou Travis Brooks, diretor dos serviços de emergência do condado, as autoridades não conhecem as causas exatas da morte porque não foi possível chegar ainda ao local.

A morte da criança é a segunda relacionada com a tempestade. Um homem já tinha morrido na quarta-feira depois de uma árvore ter caído na casa onde se encontrava, nos arredores de Greensboro, na Florida, informou o gabinete do xerife do condado de Gadsden.

Desde que atingiu terra, então com a categoria 4, na passada quarta-feira, o Michael deixou milhares de pessoas sem energia, transformou casas e portos costeiros em escombros e matou pelo menos estas duas pessoas.

A tempestade tropical está de novo a acelerar através do sudoeste da Geórgia. O Michael deve trazer furacões, chuvas e "estragos sem precedentes com o vento" ao longo do seu percurso, informou o Centro Nacional de Furacões, citado pela CNN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.