Furacão Maria perto de Porto Rico. "Ventos parecem gritos de uma mulher"

Após a passagem pelas Ilhas Virgens, o furacão desceu para categoria 4

O furacão Maria vai chegar à costa sul de Porto Rico nas próximas horas, informou hoje o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, sigla em inglês).

Às 02:00 (hora local de Porto Rico), o olho do Maria estava localizado a 140 quilómetros a sudeste de San Juan e avançava a uma velocidade de 17 quilómetros por hora em direção oeste-noroeste.

O olho do furacão Maria passou por Saint Croix, a maior das ilhas Virgens norte-americanas, com ventos até 204 quilómetros por hora registados no lado oeste da ilha, tendo passado da categoria 5 para a 4.

Um recolher obrigatório foi decretado nas Ilhas Virgens Britânicas à aproximação do furacão, que deve chegar perto das suas costas a partir desta noite.

"Apesar de o Maria não ser tão potente quanto o Irma, a nossa situação é muito diferente, [porque] as nossas ilhas são atualmente extremamente vulneráveis", justificou o primeiro-ministro deste território ultramarino britânico, Orlando Smith, em comunicado.

"As consequências, como possíveis inundações e ventos violentos, que podem transformar detritos em projéteis perigosos, podem ser mais graves e traiçoeiras", acrescentou.

Nas redes sociais, em Porto Rico, durante a manhã foram sendo partilhados vídeos que mostram a intensidade do vento.

O fotógrafo da National Geographic e caçador de tempestades Mike Theiss compara o ruído do vento aos gritos de uma mulher.

[titter:910407094414831616]

Em Porto Rico, os cerca de 3,5 milhões de habitantes precipitaram-se ontem para as lojas, para adquirirem produtos de primeira necessidade e protegerem da melhor maneira as suas casas e lojas.

Cerca de 500 abrigos, com capacidade de acolhimento de cerca de 67 mil pessoas, foram abertos para enfrentar um furacão que "pode ser o pior do último século em Porto Rico", segundo o governador deste território dos EUA, Ricardo Rossello Nevares.

O NHC prevê que o Maria chegue a Porto Rico ao longo do dia de hoje e que mantenha a sua potência como um furacão "extremamente perigoso" de categoria 4 ou 5.

O centro prevê também que passe pela costa norte da República Dominicana entre a noite e amanhã de quinta-feira, esperando-se um ligeiro abrandamento.

Após passar por Dominica, o furacão Maria deixou um rasto de destruição.

Os habitantes da Dominica "perderam tudo o que podiam ter perdido" após a passagem do furacão Maria, disse hoje o primeiro-ministro daquela ilha das Caraíbas, Roosevelt Skerrit.

"Os ventos arrancaram os telhados [das habitações] de quase todas as pessoas com quem falei ou estive em contacto", escreveu Skerrit na sua página de Facebook, lançando um apelo a "todo o tipo de ajuda".

O governante manifestou receio de que a manhã trouxesse notícias de ferimentos graves e vítimas mortais devido à ocorrência de deslizamentos de terras provocados pelas chuvas torrenciais. Roosevelt Skerrit admitiu que o telhado da sua residência oficial foi um dos primeiros a voar.

Mais de 24 horas depois, a maioria das comunicações continuam sem funcionar, tanto telefónicas como de internet.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.