Furacão Maria perto de Porto Rico. "Ventos parecem gritos de uma mulher"

Após a passagem pelas Ilhas Virgens, o furacão desceu para categoria 4

O furacão Maria vai chegar à costa sul de Porto Rico nas próximas horas, informou hoje o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, sigla em inglês).

Às 02:00 (hora local de Porto Rico), o olho do Maria estava localizado a 140 quilómetros a sudeste de San Juan e avançava a uma velocidade de 17 quilómetros por hora em direção oeste-noroeste.

O olho do furacão Maria passou por Saint Croix, a maior das ilhas Virgens norte-americanas, com ventos até 204 quilómetros por hora registados no lado oeste da ilha, tendo passado da categoria 5 para a 4.

Um recolher obrigatório foi decretado nas Ilhas Virgens Britânicas à aproximação do furacão, que deve chegar perto das suas costas a partir desta noite.

"Apesar de o Maria não ser tão potente quanto o Irma, a nossa situação é muito diferente, [porque] as nossas ilhas são atualmente extremamente vulneráveis", justificou o primeiro-ministro deste território ultramarino britânico, Orlando Smith, em comunicado.

"As consequências, como possíveis inundações e ventos violentos, que podem transformar detritos em projéteis perigosos, podem ser mais graves e traiçoeiras", acrescentou.

Nas redes sociais, em Porto Rico, durante a manhã foram sendo partilhados vídeos que mostram a intensidade do vento.

O fotógrafo da National Geographic e caçador de tempestades Mike Theiss compara o ruído do vento aos gritos de uma mulher.

[titter:910407094414831616]

Em Porto Rico, os cerca de 3,5 milhões de habitantes precipitaram-se ontem para as lojas, para adquirirem produtos de primeira necessidade e protegerem da melhor maneira as suas casas e lojas.

Cerca de 500 abrigos, com capacidade de acolhimento de cerca de 67 mil pessoas, foram abertos para enfrentar um furacão que "pode ser o pior do último século em Porto Rico", segundo o governador deste território dos EUA, Ricardo Rossello Nevares.

O NHC prevê que o Maria chegue a Porto Rico ao longo do dia de hoje e que mantenha a sua potência como um furacão "extremamente perigoso" de categoria 4 ou 5.

O centro prevê também que passe pela costa norte da República Dominicana entre a noite e amanhã de quinta-feira, esperando-se um ligeiro abrandamento.

Após passar por Dominica, o furacão Maria deixou um rasto de destruição.

Os habitantes da Dominica "perderam tudo o que podiam ter perdido" após a passagem do furacão Maria, disse hoje o primeiro-ministro daquela ilha das Caraíbas, Roosevelt Skerrit.

"Os ventos arrancaram os telhados [das habitações] de quase todas as pessoas com quem falei ou estive em contacto", escreveu Skerrit na sua página de Facebook, lançando um apelo a "todo o tipo de ajuda".

O governante manifestou receio de que a manhã trouxesse notícias de ferimentos graves e vítimas mortais devido à ocorrência de deslizamentos de terras provocados pelas chuvas torrenciais. Roosevelt Skerrit admitiu que o telhado da sua residência oficial foi um dos primeiros a voar.

Mais de 24 horas depois, a maioria das comunicações continuam sem funcionar, tanto telefónicas como de internet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).