Furacão Maria fez pelo menos 15 mortos na ilha de Dominica

Primeiro-ministro afirmou que foi "um milagre" que o número de vítimas mortais não tenha chegado às centenas

O furacão Maria, que devastou a pequena ilha independente de Dominica, nas Caraíbas, fez pelo menos 15 mortos, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro, Roosevelt Skerrit.

"Até agora, enterrámos pelo menos 15 pessoas", declarou o chefe do executivo à televisão do país vizinho Antígua e Barbuda, acrescentando que mais 20 pessoas continuam desaparecidas.

Segundo Skerrit, "foi um milagre" que o número de vítimas mortais não tenha alcançado as centenas.

O centro do furacão de categoria 4 (o segundo mais grave) atingiu Dominica com violência na noite de segunda-feira e madrugada de terça, destruindo centenas de habitações e danificando os sistemas de comunicações da ilha montanhosa e obrigando ao encerramento do aeroporto.

O primeiro-ministro emitiu um apelo, afirmando que Dominica "vai precisar de toda a ajuda que o mundo puder oferecer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.