Furacão Maria aumenta de intensidade e sobe para nível 3

Ilhas colocadas sob alerta vermelho

A intensidade de furacão Maria aumentou e ele está agora no nível 3, numa escala de 5. Segundo o Centro Nacional de Furacões, citado pela AP, o furacão está intensificar-se rapidamente e ameaça provoca grandes danos nas Caraíbas, uma zona devastada recentemente pelo furacão Irma.

O centro do furacão Maria está a cerca de 95 quilómetros da ilha francesa Martinica e traz ventos de cerca de 195 quilómetros por hora. As autoridades francesas emitiram um "alerta vermelho de ciclone para esta ilha caribenha e para Guadalupe.

"Não se pode excluir completamente que o Maria atinja a categoria 3 à passagem perto de Guadalupe", advertiu a Météo France esta manhã, considerando que "essa ameaça deve ser levada muito a sério".

O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, declarou o estado de emergência e admite que o Maria seja mais devastador para a ilha do que o Irma, segundo a Efe.

O furacão mantém um percurso que o levará para perto das ilhas atingidas pelo furacão Irma e ainda em direção a Porto Rico, República Dominicana e Haiti. Já foram emitidos avisos de furacão em Dominica, St. Kitts, Nevis, Montserrat e Martinica.

Está prevista uma forte ondulação, ventos de 150 a 180 quilómetros/hora e chuvas fortes que continuarão na terça-feira, adiantou a Méteo France.

Teme-se que o furacão vá ganhando intensidade e possa causar estragos significativos em zonas que ainda estão a recuperar depois da passagem do furacão Irma.

Qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico, o Irma deixou um rasto de destruição em várias ilhas das Caraíbas, em Cuba e ainda nos Estados Unidos, sobretudo na Florida, tendo causado dezenas de mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).