Furacão Maria aproxima-se da costa da República Dominicana

Com ventos de 185 quilómetros por hora

O furacão Maria voltou a atingir a intensidade três, de um máximo de cinco, ao aproximar-se do extremo oriental da República Dominicana, com ventos de 185 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Por volta das 02:00 (06:00 em Lisboa), o centro do furacão Maria localizava-se a 90 quilómetros de Punta Cana e a 380 quilómetros a sudeste das ilhas Turcas e Caicos avançando a uma velocidade de 15 quilómetros por hora em direção a nordeste.

Após ter perdido força, quarta-feira, na passagem por Porto Rico, de onde saiu como furacão de categoria dois (escala de intensidade Saffir-Simpson) voltou hoje à categoria três, com ventos de 185 quilómetros por hora.

Os meteorologistas do Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos preveem que o ciclone vá ganhar força nas próximas horas e dias.

O NHC também prevê que o Maria se vá afastar hoje de Porto Rico e que durante as próximas horas se vá aproximar da costa norte da República Dominicana, mas sem atingir o território.

Mais tarde, o Maria deve deslocar-se em direção às ilhas britânicas Turcas e Caicos e as Bahamas, durante a noite de sexta-feira.

O furacão atingiu fortemente Porto Rico, na quarta-feira, deixando toda a ilha sem energia elétrica e provocando, pelo menos, um morto.

O número total de mortos em Porto Rico é neste momento de nove, após a morte de uma pessoa em Guadalupe e das oito vítimas mortais em Dominica, atingida pelo furacão que, na altura, atingiu uma força de categoria cinco.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.