Retirada de portugueses de Guadalupe pode prolongar-se até domingo

Aviso feito pelo secretário de Estado das Comunidades, que se desloca esta terça-feira a Guadalupe.

Para já, chegaram "seis adultos e seis crianças" com residência em Vila Verde e Braga, que vieram via Paris e já estão no Porto, explicou José Luís Carneiro, salientando que as autoridades nacionais suportaram a viagem entre França e Portugal, cabendo o resto à cooperação europeia.

Em Saint-Martin (São Martinho, uma possessão dividida por franceses e holandeses nas Antilhas), uma das ilhas mais atingidas pelo furacão, está um grupo de 16 portugueses que deve "sair num avião alemão", no âmbito das parcerias da União Europeia.

A pista naquela ilha é muito pequena e só podem operar aviões de pequeno porte pelo que o C-130 português que foi colocado pela Força Aérea ao serviço destas operações de resgate irá fazer o transporte a partir de Guadalupe.

"Estamos preparados para um grupo de meia centena de portugueses em Gudalupe", vindos principalmente de Saint-Martin e Saint Barthélemy (São Bartolomeu).

Em São Bartolomeu existe uma forte comunidade portuguesa que recebeu recomendações para se deslocar para a colónia francesa de Guadalupe. "Sabemos que muitos estão a vir ainda e vamos aguardar. Quando tivermos as coisas organizadas, o nosso avião irá buscá-las", explicou o secretário de Estado.

O avião português está em Belém do Pará a aguardar instruções para se deslocar para o local.

Caso existam mais portugueses que a capacidade do C-130, a Secretaria de Estado das Comunidades está em contacto com operadores parceiros da TAP para fazer o transporte via voos comerciais.

"Além do apoio da secretária de Estado da Defesa para o nosso avião, falámos com a secretaria de Infraestruturas que estão a ajudar-nos no que precisarmos", explicou José Luís Carneiro.

O balanço da passagem do furacão Irma pelas Caraíbas foi um dos mais graves na história recente da região, com o registo pelo menos 40 vítimas mortais.

O Irma - qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico - enfraqueceu na segunda-feira ao atravessar o estado norte-americano da Flórida, perdendo a designação de furacão e passando a ser classificado como tempestade tropical.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.