Milhões ainda sem eletricidade na Florida devido ao Irma

Cerca de 6,2 milhões de residentes continuam sem eletricidade devido à passagem do furacão Irma, embora os efeitos neste país tenham sido menos graves que o previsto

Milhões de pessoas continuam sem eletricidade no estado da Florida (sul dos Estados Unidos) devido à passagem do furacão Irma, embora os efeitos neste país tenham sido menos graves que o previsto depois da devastação provocada nas Caraíbas.

O Irma, qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico, voltou a enfraquecer nas últimas horas e está agora classificado como depressão tropical, avançando na direção noroeste.

Nas Caraíbas, onde passou na semana passada, o Irma fez cerca de 40 mortos e nos Estados Unidos, onde chegou na madrugada de domingo, menos de uma dezena.

Segundo a contagem da agência France Presse, o Irma fez 27 mortos nas Antilhas, 14 das quais em São Martinho, 10 em Cuba e dois na Florida, num balanço total de 39 mortos.

Segundo a Associated Press, o furacão matou 25 nas Antilhas, 10 em Cuba, 6 na Florida, 3 na Geórgia, 1 no Haiti e 1 na Carolina do Sul, ao todo, 46 mortos.

Milhares de pessoas ficaram sem casa e necessitam de abrigo de emergência, sobretudo no leste das Caraíbas, segundo um levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado esta terça-feira.

Na Florida, a destruição foi maior no arquipélago de Florida Keys, fustigado no domingo por ventos superiores a 215 Km/h.

No resto do estado, os estragos, que numa primeira avaliação devem atingir 20 a 60 mil milhões de dólares, foram bastante mais limitados.

As cerca de seis milhões de pessoas retiradas, um número sem precedente nos Estados Unidos, começam hoje a regressar.

Cerca de 6,2 milhões de residentes na Florida continuam sem eletricidade.

Em muitas ilhas das Caraíbas, milhares de pessoas continuam igualmente sem eletricidade e, no caso da ilha franco-holandesa de São Martinho (Saint Martin/Sint Maarten), também sem água corrente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.