Milhões ainda sem eletricidade na Florida devido ao Irma

Cerca de 6,2 milhões de residentes continuam sem eletricidade devido à passagem do furacão Irma, embora os efeitos neste país tenham sido menos graves que o previsto

Milhões de pessoas continuam sem eletricidade no estado da Florida (sul dos Estados Unidos) devido à passagem do furacão Irma, embora os efeitos neste país tenham sido menos graves que o previsto depois da devastação provocada nas Caraíbas.

O Irma, qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico, voltou a enfraquecer nas últimas horas e está agora classificado como depressão tropical, avançando na direção noroeste.

Nas Caraíbas, onde passou na semana passada, o Irma fez cerca de 40 mortos e nos Estados Unidos, onde chegou na madrugada de domingo, menos de uma dezena.

Segundo a contagem da agência France Presse, o Irma fez 27 mortos nas Antilhas, 14 das quais em São Martinho, 10 em Cuba e dois na Florida, num balanço total de 39 mortos.

Segundo a Associated Press, o furacão matou 25 nas Antilhas, 10 em Cuba, 6 na Florida, 3 na Geórgia, 1 no Haiti e 1 na Carolina do Sul, ao todo, 46 mortos.

Milhares de pessoas ficaram sem casa e necessitam de abrigo de emergência, sobretudo no leste das Caraíbas, segundo um levantamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado esta terça-feira.

Na Florida, a destruição foi maior no arquipélago de Florida Keys, fustigado no domingo por ventos superiores a 215 Km/h.

No resto do estado, os estragos, que numa primeira avaliação devem atingir 20 a 60 mil milhões de dólares, foram bastante mais limitados.

As cerca de seis milhões de pessoas retiradas, um número sem precedente nos Estados Unidos, começam hoje a regressar.

Cerca de 6,2 milhões de residentes na Florida continuam sem eletricidade.

Em muitas ilhas das Caraíbas, milhares de pessoas continuam igualmente sem eletricidade e, no caso da ilha franco-holandesa de São Martinho (Saint Martin/Sint Maarten), também sem água corrente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).