O que é preciso para enfrentar o Irma?

Como uma família portuguesa se preparou para o Irma

Mantimentos suficientes para três semanas, água armazenada, um gerador e a casa protegida contra o vento foram algumas das precauções tomadas pela família da emigrante portuguesa Sílvia Lima Pereira, residente em Miami, quando se aproxima o furacão Irma.

Sílvia Lima Pereira vive com o marido e o filho em Miami Lakes, uma zona em relação à qual as autoridades não deram ordem de evacuação, e está a acolher na sua casa, desde quinta-feira, o irmão, a cunhada e o sobrinho, que vivem em North Bay Village, na zona norte da cidade e mais perto do mar.

Em declarações à agência Lusa por telefone, cerca das 13:30 em Miami (18:30 em Lisboa), a emigrante portuguesa relatou que desde esta manhã não há luz.

Àquela hora, o vento soprava com rajadas "bastante fortes" e já se notavam estragos nas ruas, como "árvores caídas e muitas coisas partidas", mas a portuguesa explicou que o furacão só esperado naquela região ao cair da noite de hoje, prevendo-se que o pico se prolongue até cerca da meia-noite local.

O marido de Sílvia chegou a Miami há 25 anos, após a passagem do furacão Andrew, um dos mais devastadores que atingiram os Estados Unidos, em 1992, e, por isso, "já tem experiência" a lidar com este fenómeno.

Uma experiência que permitiu, agora, tomar uma série de precauções: a casa, uma moradia de dois pisos, já foi construída de forma a ser mais resistente a estes fenómenos, e colocaram uma espécie de estores metálicos para proteger a habitação.

Aqui sentimo-nos seguros, não sentimos a vibração causada pelo vento

Além disso, Sílvia e a família compraram mantimentos suficientes para duas ou três semanas, encheram banheiras e recipientes com água e têm um gerador e uma bomba para retirar água em caso de inundação, além de velas, lanternas e pilhas.

A emigrante estima que o irmão possa regressar à sua casa a partir de terça-feira, altura em que esperam que a vida comece a voltar à normalidade.

"Já avisaram que segunda e terça-feira não há escola. A vida não vai voltar ao normal até então", comentou.

Cerca de 70 mil portugueses estão registados nos serviços consulares como residentes no estado norte-americano da Florida.

O furacão Irma, de categoria 4, a segunda mais grave, aproxima-se da costa sudoeste da Florida com ventos máximos de 215 quilómetros por hora, após ter atingido o extremo sul desse estado

Segundo a trajetória prevista pelo NHC no último boletim que divulgou, o olho do furacão deve atingir "à tarde e à noite a costa oeste da península da Florida".

Prevê-se que na segunda-feira à tarde o furacão se desloque para o norte da Florida e sudoeste da Geórgia.

Na Florida, o Irma já fez três mortos depois de ter deixado um rasto de destruição e pelo menos 27 mortos nas Caraíbas

Apesar de se prever o seu "enfraquecimento", a tempestade irá permanecer como "um furacão poderoso enquanto se move e atravessa a costa oeste da Florida".

No centro de Miami, os ventos fortes derrubaram uma grua, que caiu sobre um edifício em construção, sem que haja registo de feridos, de acordo com um responsável local citado pelo jornal The Washington Post.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.