Turistas portugueses em Cuba já foram contactados

Os serviços consulares já contactaram pelo menos 370 turistas portugueses que estão retidos em Cuba e que poderão regressar a Portugal a partir desta terça-feira

"Hoje os dois aeroportos reabrem e estamos em contacto com a Secretaria de Estado do Turismo para que se operacionalize a saída [dos portugueses] através das duas operadoras" que os levaram, afirmou à Lusa José Luís Carneiro.

No total, os serviços consulares de Havana já contactaram turistas nacionais distribuídos por cinco hotéis: Iberstar, Capri, Melliá, Nacional e Saratoga.

"As pessoas estão assustadas, como é natural, mas estão bem", afirmou o governante.

Durante esta terça-feira, os serviços da embaixada portuguesa irão visitar outras estâncias turísticas onde podem estar portugueses.

Os voos de Cuba foram cancelados na sequência do furacão Irma que atingiu vários países das Caraíbas.

O balanço da passagem do furacão Irma por Cuba foi um dos mais graves nas Caraíbas, com o registo de dez vítimas de um total de pelo menos 40 na região.

O Irma - qualificado pela Organização Mundial de Meteorologia como o furacão mais forte de sempre no Atlântico - enfraqueceu na segunda-feira ao atravessar o estado norte-americano da Flórida, perdendo a designação de furacão e passando a ser classificado como tempestade tropical.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.