Aeroporto Internacional de Miami continua encerrado hoje

O aeroporto tem estado fechado à partida e chegadas de aviões, mas o terminal acolheu mais de 600 pessoas que não encontraram quartos de hotel

O Aeroporto Internacional de Miami (MIA), o mais importante do estado norte-americano da Florida, vai continuar esta segunda-feira encerrado devido aos danos provocados pelo furacão Irma, informou o seu diretor, Emilio T. González.

O aeroporto, que encerrou ao final do dia de sexta-feira por precaução para aguentar a chegada do Irma, sofreu "significativos danos" devido à água, afirmou González, através da sua conta na rede social Twitter.

No domingo, o Serviço Meteorológico de Miami informou terem sido registados ventos de 151 quilómetros por hora no aeródromo.

O MIA tem estado fechado à partida e chegada de aviões, mas o terminal acolheu mais de 600 pessoas que não encontraram quartos de hotel, indicou o jornal The Miami Herald.

Espera-se que o aeroporto retome a atividade, ainda que com ligações aéreas limitadas, na terça-feira.

Centenas de voos foram cancelados no sábado e no domingo devido à chegada do furacão Irma que tocou terra na madrugada de domingo em Cayos, no extremo sul da Florida, onde chegou com força de categoria 4, na escala Saffir-Simpson de 5, e ventos máximos sustentados de 215 quilómetros por hora, voltando de seguida a terra, mais enfraquecido, em Marco Island, na costa oeste da península.

O Irma foi perdendo força à medida que se movimenta rumo a norte e baixou entretanto para categoria 1, após descarregar a sua maior potência destrutiva na costa oeste da Florida, onde provocou graves inundações.

Apesar de ter enfraquecido, o Irma deixou à sua passagem uma "crise humanitária" em Cayos, devastação e ainda a ameaça de ocorrência de ondas perigosas.

Segundo o mais recente balanço oficial, o Irma fez três mortes na Florida, mas teme-se que o número de vítimas aumente à medida que as condições meteorológicas forem permitindo maior acesso por parte das equipas de salvamento e resgate.

O governador da Florida, Rick Scott, afirmou na noite de domingo que, atendendo ao avanço do furacão Irma por aquele estado norte-americano, "o melhor que se pode fazer agora é rezar" pelas pessoas que se encontram na sua trajetória.

"Sei que muita gente em todo o mundo quer ajudar. O melhor que se pode fazer agora é rezar", disse Rick Scott, no domingo, à cadeia televisiva ABC, referindo-se à situação criada pelo furacão que fez mais de 30 vítimas mortais na passagem pelas Caraíbas.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que assinou, no domingo, uma declaração de "grande desastre" na Florida, anunciou que vai visitar aquele estado "muito em breve" e manifestou-se satisfeito com a resposta dada ao furacão Irma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.