Furacão Florence pode deixar 2,4 milhões de pessoas sem energia

Estimativas são baseadas na previsão que está a ser efetuada pelo Centro Nacional de Furacões dos EUA

Meteorologistas da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos da América, preveem que cerca de 2,4 milhões de pessoas podem ficar sem energia devido ao furacão Florence, admitindo que algumas interrupções podem ser prolongadas.

Seth Guikemam, professor associado no Michigan, afirmou que as interrupções podem ser mais generalizadas se o furacão Florence virar para o norte ou parar, levando a inundações.

As estimativas são baseadas na previsão que está a ser efetuada pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos em relação à rota e à velocidade do vento.

A porta-voz da Duke Energy, Grace Rountree, disse que a empresa está a antecipar problemas que possam ocorrer com "um furacão desta magnitude".

Grace Rountree afirmou que a empresa está a levar cerca de 2.000 trabalhadores de outros locais para aumentar os 4.600 funcionários que tem na Carolina do Norte e na Carolina do Sul.

A Duke Energy tem cerca de quatro milhões de clientes nestes dois estados.

As companhias aéreas estão também a começar a cancelar voos devido à chegada do furacão Florence.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou que o Governo federal está "absolutamente, totalmente preparado" para responder ao furacão Florence, que alcançou a categoria 4 (na escala de Saffir-Simpson, composta por cinco níveis, com ventos até 220 quilómetros/hora) e dirige-se para a costa leste dos EUA.

Trump declarou estado de emergência na Carolina do Norte e Carolina do Sul, o que permite libertar meios de agências federais.

O Florence, que já obrigou à retirada de mais de um milhão de pessoas, pode ser um dos furacões mais destruidores das últimas décadas na costa atlântica dos Estados Unidos, alertaram especialistas.

O furacão deve passar hoje entre as Bahamas e as Bermudas e chegar na quinta-feira à costa norte-americana.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...