Furacão Florence obriga a evacuação em massa na costa Atlântica dos EUA

Tempestade de categoria quatro levou os governadores dos Estados da Virgínia, da Carolina do Norte e do Sul a ordenarem a retirada de mais de um milhão e meio de habitantes

Evacuações em massa foram ordenadas ao longo da Costa Atlântica dos Estados, à medida que o furacão Florence, uma tempestade de categoria quatro e a mais poderosa ameaça à região das últimas três décadas, irrompeu na direção da região nesta terça-feira.

O governador Ralph Northam emitiu uma ordem de evacuação, com efeito a partir das 08.00 locais (13.00 em Lisboa), para cerca de 250 mil residentes da região costeira da Virgínia, bastante suscetível a inundações. Já o governador da Carolina do Sul, Henry McMaster, ordenou que mais de um milhão de residentes da zona costeira deste estado abandonem as suas casas a partir do meio-dia (17.00).

"Esta é uma tempestade séria e vai ter efeitos em todo o estado", avisou Nathan em conferência de imprensa. "Toda a gente na Virgínia tem de estar preparada".

De acordo com o National Hurricane Center, de Miami, o Florence - que regista já ventos de 220 quilómetros por hora - deverá tornar-se ainda mais forte antes de estabelecer contacto com a costa, muito provavelmente do Sudeste da Carolina do Norte, perto da fronteira com a Carolina do Sul.

"Estamos no olho da tempestade", avisou, também em conferência de imprensa, o governador da Carolina do Norte, Roy Cooper. Prevê-se que pelo menos 250 mil pessoas sejam evacuadas da zona dos Outer Banks, na Carolina do Norte, depois de na segunda-feira já ter sido ordenada a evacuação de 50 mil pessoas em Hatteras e Ocracoke, as ilhas-barreira mais a Sul do Estado.

Além da tempestade costeira, potencialmente letal para quem seja apanhado desprevenido, as autoridades antecipam também fortes chuvadas, que deverão abranger áreas de centenas de quilómetros e causar grandes cheias.

O Florence é o primeiro furacão de categoria quatro, na escala de Saffir-Simpson, a atingir as Carolinas desde 1989, sendo também o mais intenso registado na costa dos Estados Unidos neste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.