Fundador do Facebook hoje em Bruxelas para dar explicações

Mark Zuckerberg aceitou transmissão na internet da reunião de cerca de uma hora e um quarto à porta fechada com os líderes dos grupos políticos do Parlamento Europeu, o presidente e o relator da Comissão de Liberdade e Justiça

Mark Zuckerberg vai hoje ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, dar explicações sobre o uso indevido dos dados de 87 milhões de utilizadores do Facebook, 2,7 milhões dos quais de cidadãos europeus (63 080 deles portugueses).
A reunião acontece a quatro dias da entrada em vigor no espaço da UE do Regulamento Geral sobre a Proteção dos Dados Pessoais. Este vai alterar a forma como as empresas, online e offline, gerem e armazenam os dados dos utilizadores. Todas as entidades corporativas, Facebook incluído, vão ter de se adaptar à nova legislação.

Ao contrário do que aconteceu em abril no Congresso dos EUA, o fundador do Facebook, de 34 anos, não será ouvido no plenário do Parlamento Europeu, mas à porta fechada pelos líderes dos grupos políticos europeus e pelo presidente e pelo relator da Comissão para as Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos (LIBE).

Depois de muita polémica, a reunião daqueles eurodeputados com o fundador do Facebook vai ser transmitida pela internet, confirmou ontem o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani.

"Discuti pessoalmente com o CEO do Facebook, Sr. Zuckerberg, a possibilidade de a reunião ser transmitida em webstreaming. Estou contente por anunciar que ele aceitou este pedido. O encontro é das 18.15 às 19.30 [menos uma hora em Lisboa]", escreveu o italiano no Facebook.

Um comunicado falou depois em início previsto para as 18.20. E em conferência de imprensa de Antonio Tajani às 19.30. Mais coisa menos coisa, Zuckerberg dedicará cerca de uma hora e um quarto ao Parlamento Europeu (o Congresso dos EUA teve direito a dez horas divididas por dois dias).

"Irei ouvir Zuckerberg porque o webstreaming torna as coisas transparentes e públicas", escreveu no Twitter Guy Verhofstadt, líder do grupo dos liberais do ALDE, que exigira uma audição nos mesmos moldes da do Congresso dos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.