Fundação Soros deixa Budapeste devido a políticas repressivas de Orban

A fundação vai mudar-se para Berlim

A fundação do milionário húngaro-americano George Soros, que financia várias organizações não-governamentais, anunciou esta terça-feira que vai sair da Hungria devido às "políticas repressivas" do Governo de Viktor Orban.

A fundação vai deixar as instalações na capital húngara, onde se encontra há várias décadas, e mudar-se para Berlim, indicou em comunicado.

"Confrontada com um ambiente político e jurídico cada vez mais repressivo na Hungria, a Fundação Open Society vai mudar as suas operações internacionais e o pessoal de Budapeste para a capital alemã", de acordo com a nota da fundação criada pelo empresário George Soros.

Soros foi um dos alvos da campanha presidencial de Viktor Orban, que chegou a afirmar que todos os outros candidatos eram patrocinados pelo milionário de origem húngara. Em 2016, Orban disse ainda que Soros estava a provocar agitação social, por financiar grupos opositores do Governo na temática da imigração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.