Funcionários venezuelanos agredidos ao validar assinaturas para referendo

Os funcionários do Conselho Nacional Eleitoral revelaram que foram agredidos e que algumas "expressões de ódio" por parte de dirigentes puseram as suas vidas em risco

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE), denunciou esta quinta-feira que ocorreram agressões a funcionários daquele organismo, durante o processo de validação das assinaturas e impressões digitais dos eleitores que solicitaram ativar o referendo revogatório do mandato de Nicolás Maduro.

"Uma vez mais, temos visto o desenvolvimento de uma estratégica de agitação política que utiliza a instituição (CNE) para realizar cenários violentos", denunciou aos jornalistas uma responsável do CNE.

Segundo Sandra Oblitas, durante os três dias de jornadas de validação "foram agredidos funcionários no desenvolvimento da atividade, funcionários que prestam o seu serviço para cumprir com esta fase" de recenseamento.

Por outro lado explicou que o CNE não opina sobre as estratégias e opiniões políticas mas que dirigentes opositores realizaram hoje "expressões de ódio que põem em risco a vida dos funcionários (do CNE)".

"Vemos com preocupação como alguns líderes expuseram os nossos diretores regionais e a outros funcionários desta instituição, ao escárnio público (através das redes sociais), com nomes, apelidos e fotografias. Queremos fazer um aviso muito sério. Não vamos permitir que ponham em risco a vida dos nossos funcionários, que exponham os nossos diretores regionais e operadores de máquinas", disse.

A 11 de junho último o CNE advertiu que se houver violência suspenderá o longo processo de convocatória do referendo para destituir o Presidente Nicolás Maduro.

"Quero dizer muito enfaticamente que qualquer agressão, alteração da ordem ou geração de violência levará à suspensão imediata do processo até que se restabeleça a ordem, a tranquilidade e o respeito", disse a presidente do CNE, Tibisay Lucena, numa conferência de imprensa em Caracas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.