Funcionários do Senado filipino obrigados a realizar teste de drogas

O Senado filipino vai obrigar os seus cerca de 400 funcionários a fazerem testes para despistar o consumo de drogas. Os senadores eleitores ficam de fora desta diretiva

Os cerca de 400 funcionários do Senado filipino são a partir de hoje obrigados a passar por um teste de drogas, anunciou o presidente daquele órgão, Tito Sotto.

De forma a demonstrar o seu compromisso com esta diretiva e com a luta contra a droga, Tito Sotto foi o primeiro a realizar o teste, esta manhã, seguido pelo senador Gringo Honasan.

A diretiva não obriga os senadores eleitos a fazerem o teste, apenas vincula os restantes funcionários, que foram surpreendidos hoje por esta diretiva.

De acordo com os 'media' locais, o teste procura analisar a existência de cocaína no sangue e metanfetaminas conhecidos como 'shabu', muito consumidos nas Filipinas devido ao seu baixo custo.

Desde que foi eleito chefe de Estado das Filipinas, Rodrigo Duterte lançou uma forte ofensiva governamental contra o tráfico de droga.

Segundo as organizações de direitos humanos, além de 4.200 mortos em operações policiais, há que contabilizar 23.500 homicídios que estão a ser investigados, dos quais entre 12 a 15.000 serão assassinatos encobertos pelo clima de impunidade da campanha antidrogas.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.