Funcionária de centro para refugiados na Suécia esfaqueada até à morte

Agressor terá cerca de 15 anos e foi detido. Primeiro-ministro sueco confessou preocupação com criminalidade nos centros para requerentes de asilo

Uma funcionária de 22 anos de um centro para jovens refugiados na Suécia foi esfaqueada até à morte, alegadamente por um jovem de 15 anos requerente de asilo. O agressor foi detido no local.

O primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, visitou as instalações do centro para migrantes não acompanhados, próximo de Gotemburgo, horas depois do homicídio, já esta terça-feira. À Radio Sweden, citado pela BBC, Lofven admitiu que pode haver "muitas pessoas preocupadas" com a possibilidade de se repetirem crimes como este na Suécia, numa altura em que o país recebe milhares de crianças e jovens requerentes de asilo.

A polícia local referiu que o agressor, cuja nacionalidade não é conhecida, foi dominado pelos outros utentes do centro e que a vítima, identificada como Alexandra Mezher, tinha origem libanesa e morreu vítima dos ferimentos já no hospital.

A estação britânica indica que foi recuperada a faca utilizada no ataque, estando o motivo do homicídio por esclarecer.

O centro de refugiados onde o crime aconteceu recebe jovens entre os 14 e os 17 anos. Na altura, além do agressor, estariam no centro cerca de dez utentes, que foram entretanto transferidos para outras instalações.

A Suécia aceitou no ano passado, segundo a BBC, quase 163 mil pedidos de asilo, cerca de um terço provenientes de cidadãos sírios. De acordo com as autoridades, 35 400 menores não acompanhados fizeram igualmente o pedido em 2015, um número cinco vezes superior ao de 2014.

O comissário nacional da polícia sueca, Dan Eliasson, pediu entretanto o destacamento extraordinário de 4100 agentes e funcionários de apoio para auxiliarem no combate ao terrorismo, nas deportações de migrantes e para trabalharem nas instalações das polícias que acolhem os refugiados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.