Fugitivo envia 'selfie' à polícia porque fotografia usada não o favorecia

Homem enviou uma "selfie" à polícia porque não gostou da fotografia usada na publicação em que dizia que ele era procurado

O norte-americano Donald Pugh, conhecido como Chip, enviou uma "selfie" à polícia porque não gostou da fotografia que esta usou na publicação no Facebook em que informava que ele estava a ser procurado.

O departamento policial de Lima, em Ohio, publicou uma fotografia do tipo passe de Donald Pugh com um pedido para que quem soubesse do seu paradeiro avisasse as autoridades, pois havia um mandado de captura em seu nome por ter faltado a uma sessão no tribunal.

Donald Pugh não gostou da fotografia utilizada e enviou uma nova. Na mensagem dizia: "Aqui está uma fotografia melhor. Aquela é terrível". Na nova imagem vê-se o homem de 45 anos de fato e com óculos de sol sentado no lugar do condutor de um carro.

A polícia publicou a nova fotografia e não se esqueceu de "lhe agradecer por ser prestativo". Pediu, no entanto, que fosse ao departamento policial para "falar sobre as acusações". Segundo a polícia de Lima, Donald Pugh é ainda procurado por ser uma "pessoa de interesse" em casos de incêndio criminoso e vandalismo.

Segundo o Washington Post , Donald Pugh foi entrevistado pela rádio local 104.9 Eagle pela ousadia que teve ao enviar a "selfie" e justificou-se dizendo que a fotografia da polícia não o favorecia nada. "Eles puseram uma fotografia em que eu parecia um Thundercat ou algo parecido", explicou Chip Pugh, referindo-se aos desenhos animados infantis.

Os locutores da rádio, Phil Austin e Ryan Staley, perguntaram várias vezes onde Donald se encontrava e ele respondeu sempre de maneira diferente. Primeiro disse que estava "no meio da praça da cidade com um cartaz que dizia 'inocente'", mas depois estava "sentado num bunker ao lado de El Chapo a construir um túnel para o McDonalds".

O caso está a ser muito comentado nas redes sociais e até foi criada uma página no Facebook a pedir a libertação de Donald Pugh, apesar de este não estar detido, e a brincar com as autoridades policiais de Lima. Numa das imagens vê-se um dos agentes da polícia a explicar que não tem ideia de onde Donald está, apenas sabe que ele está algures no Facebook.

Donald Pugh desvalorizou as acusações que recaem sobre ele. Afirma que foi preso por condução sob o efeito de álcool em novembro e "simplesmente" decidiu "não ir" à sessão do tribunal. "Os jornais de Lima agem como se eu tivesse incendiado a casa de alguém", explicou Donald, que admitiu que se divertiu com a publicação no Facebook. "Eu fi-lo por todos os meus amigos idiotas", contou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.