Le Pen plagiou Fillon em comício. Foi de propósito, diz Frente Nacional

Partido justificou plágio com "piscar de olhos" à direita

A candidata presidencial francesa de extrema-direita, Marine Le Pen, plagiou no comício de segunda-feira um discurso do ex-candidato conservador François Fillon de forma propositada, segundo justificaram hoje porta-vozes da Frente Nacional.

O vice-presidente da Frente Nacional, Florian Philippot, disse que se tratou de um "piscar de olhos a uma breve passagem de um discurso sobre a França" por parte de Marine Le Pen que mostra, desta forma, que é uma candidata "unitária e não sectária".

Através da conta Twitter "Ridicule TV", os apoiantes do conservador François Fillon acusaram Marine Le Pen de plágio do discurso do ex-candidato presidencial proferido no dia 15 de abril, em Puy en Velay.

No discurso, Fillon referia-se à geografia francesa e em particular "às suas fronteiras terrestres".

"Os Pirinéus em primeiro lugar, que colocam a França nesse imenso conjunto que é o mundo hispânico e latino, a fronteira dos Alpes que vai até Itália, nossa irmã e depois, mais além, a que vai até à Europa central, balcânica e oriental", dizia Fillon.

O então candidato conservador de direita disse também que se no estrangeiro se aprende francês, "às vezes pagando muito, na Argentina ou na Polónia", e que há listas de espera na Aliança Francesa de Xangai, Tóquio e México, ou no Liceu Francês de Rabat e de Roma.

"Se Paris é o primeiro destino turístico a nível mundial é porque a França é algo mais e - muito mais - do que uma potência industrial, agrícola e militar", continuava Fillon.

As passagens do discurso de François Fillon foram repetidas no discurso de segunda-feira por Marine Le Pen, perante os apoiantes da Frente Nacional, em Villepinte, nos arredores de Paris.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).