Le Pen plagiou Fillon em comício. Foi de propósito, diz Frente Nacional

Partido justificou plágio com "piscar de olhos" à direita

A candidata presidencial francesa de extrema-direita, Marine Le Pen, plagiou no comício de segunda-feira um discurso do ex-candidato conservador François Fillon de forma propositada, segundo justificaram hoje porta-vozes da Frente Nacional.

O vice-presidente da Frente Nacional, Florian Philippot, disse que se tratou de um "piscar de olhos a uma breve passagem de um discurso sobre a França" por parte de Marine Le Pen que mostra, desta forma, que é uma candidata "unitária e não sectária".

Através da conta Twitter "Ridicule TV", os apoiantes do conservador François Fillon acusaram Marine Le Pen de plágio do discurso do ex-candidato presidencial proferido no dia 15 de abril, em Puy en Velay.

No discurso, Fillon referia-se à geografia francesa e em particular "às suas fronteiras terrestres".

"Os Pirinéus em primeiro lugar, que colocam a França nesse imenso conjunto que é o mundo hispânico e latino, a fronteira dos Alpes que vai até Itália, nossa irmã e depois, mais além, a que vai até à Europa central, balcânica e oriental", dizia Fillon.

O então candidato conservador de direita disse também que se no estrangeiro se aprende francês, "às vezes pagando muito, na Argentina ou na Polónia", e que há listas de espera na Aliança Francesa de Xangai, Tóquio e México, ou no Liceu Francês de Rabat e de Roma.

"Se Paris é o primeiro destino turístico a nível mundial é porque a França é algo mais e - muito mais - do que uma potência industrial, agrícola e militar", continuava Fillon.

As passagens do discurso de François Fillon foram repetidas no discurso de segunda-feira por Marine Le Pen, perante os apoiantes da Frente Nacional, em Villepinte, nos arredores de Paris.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.