Nova sondagem dá maioria absoluta a partido de Macron

A República em Marcha deverá conseguir maioria absoluta nas legislativas

A República em Marcha, partido do novo presidente francês, Emmanuel Macron, deverá obter maioria absoluta nas eleições legislativas de 11 e 18 de junho, segundo uma sondagem divulgada hoje pelo jornal Les Echos e pela rádio Classique.

A sondagem, do instituto Opinionway, atribui ao partido 29% das intenções de voto na primeira volta, mais um ponto percentual do que na semana passada.

Para a segunda volta, a projeção é de que A República em Marcha (La République En Marche, LREM) obtenha 335 a 355 assentos na Assembleia Nacional (câmara baixa, 577 deputados), claramente acima dos 289 que perfazem a maioria absoluta.

Os inquiridos na sondagem parecem não ter sido afetados pela polémica em torno do ministro da Coesão Territorial, Richard Ferrand, objeto de uma investigação judicial por ter favorecido a companheira na aquisição de um imóvel quando dirigia a seguradora Mutuelle de Bretagne.

A direita de Os Republicanos deverá obter 20% na primeira volta, o mesmo que há uma semana, que se traduziriam, na segunda volta, na eleição de 145 a 165 deputados.

A extrema-direita da Frente Nacional (FN) reúne 18% das intenções de voto na primeira volta, menos um ponto percentual do que na anterior sondagem, e na segunda deverá eleger sete a 17 deputados, pelo que não é ainda claro se pode constituir um grupo parlamentar, sujeito a um mínimo de 15 deputados.

A esquerda da França Insubmissa, de Jean-Luc Mélenchon, perdeu dois pontos percentuais, estando nos 13%, e as projeções atribuem-lhe 24 a 31 deputados.

O Partido Socialista e aliados reúnem apenas 9% das intenções de voto, elegendo 20 a 35 deputados.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.