Apoiantes de Mélenchon defendem voto branco ou nulo na 2ª volta

Mélenchon, que obteve um resultado histórico para a esquerda na primeira volta, tem sido muito criticado por não dar indicação aos seus seguidores quanto à segunda volta

Os apoiantes de Jean-Luc Mélenchon, derrotado na primeira volta das presidenciais francesas, pronunciaram-se a favor do voto "branco ou nulo" na segunda volta, com apenas um terço a defender o voto em Emmanuel Macron, anunciou hoje o movimento.

O movimento liderado pelo candidato de esquerda, França Insubmissa, convocou os apoiantes para se pronunciarem, numa consulta via internet, sobre o sentido de voto para a segunda volta, em que se defrontam o candidato independente centrista Emmanuel Macron e a líder da extrema-direita, Marine Le Pen.

Participaram na consulta 243.128 apoiantes de Mélenchon: 36% defenderam o voto branco ou nulo, 29% a abstenção e 35% o voto em Macron.

A consulta agora concluída, explicou a França Insubmissa em comunicado, "não visa dar uma consigna de voto, mas refletir a opinião dos 'insubmissos'". A consulta excluía uma opção de voto na candidata da extrema-direita.

Mélenchon, que obteve um resultado histórico para a esquerda na primeira volta, com quase 20% dos votos, tem sido muito criticado por não dar indicação aos seus seguidores quanto à segunda volta.

Personalidades de vários setores e ideologias têm declarado o apoio a Macron para limitar a abstenção na segunda volta, que, segundo a maioria dos analistas, favorece a extrema-direita.

Mélenchon considera, no entanto, que Macron encarna "o neoliberalismo" a que ele se opõe.

As últimas sondagens atribuem a Macron cerca de 60% das intenções de voto, contra 40% para Le Pen.

A segunda volta das presidenciais francesas realiza-se no próximo domingo, 7 de abril.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.