França lança vinho azul no mercado... mas em Portugal já existe

Os franceses apreciadores de vinho já podem experimentar uma inovação criada em Espanha em 2015

A França aderiu à moda do vinho azul, que começou a ser comercializado em Espanha em 2015 e chegou a Portugal no ano seguinte. Agora, é o mercado francês a lançar o produto que, segundo o jornal Libération, até poderá ser confundido com a água da piscina.

Este vinho surgiu a partir de uma investigação entre vários grupos tecnológicos da indústria alimentar, aproveitada por jovens empresários espanhóis, do País Basco, que constituíram a startup Gïk para comercializar este vinho de cor azul. No entanto, em março de 2017, esta empresa acabou por ser multada pelo Ministério da Agricultura de Espanha por causa da utilização de um corante indigo e por antocianina, que é um pigmento da pele da uva, componentes que violaram as regulações vigentes.

O Libération conta que o néctar azul brilhante tem origem numa nova vinha, batizada de vindigo, que é produzida em Espanha, sendo que além da cor original o consumidor terá um vinho fresco, frutado e doce, com aromas de cereja, framboesa e maracujá.

Em 2016, foi comercializado em Portugal graças ao impulso de Joe Berardo, o homem forte da Bacalhôa, a que deu o nome de Casal Mendes Blue. Antes do vinho azul ser lançado no mercado, a empresa Aliança, do mesmo grupo, lançou um vinho cor-de-rosa, que acabou por ser um fracasso no mercado.

O Instituto da Vinha e do Vinho não reconhece este líquido azul como vinho, considerando que se trata de um corante alimentar que é acrescentado a um vinho no final do seu processo de fermentação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.