França lança vinho azul no mercado... mas em Portugal já existe

Os franceses apreciadores de vinho já podem experimentar uma inovação criada em Espanha em 2015

A França aderiu à moda do vinho azul, que começou a ser comercializado em Espanha em 2015 e chegou a Portugal no ano seguinte. Agora, é o mercado francês a lançar o produto que, segundo o jornal Libération, até poderá ser confundido com a água da piscina.

Este vinho surgiu a partir de uma investigação entre vários grupos tecnológicos da indústria alimentar, aproveitada por jovens empresários espanhóis, do País Basco, que constituíram a startup Gïk para comercializar este vinho de cor azul. No entanto, em março de 2017, esta empresa acabou por ser multada pelo Ministério da Agricultura de Espanha por causa da utilização de um corante indigo e por antocianina, que é um pigmento da pele da uva, componentes que violaram as regulações vigentes.

O Libération conta que o néctar azul brilhante tem origem numa nova vinha, batizada de vindigo, que é produzida em Espanha, sendo que além da cor original o consumidor terá um vinho fresco, frutado e doce, com aromas de cereja, framboesa e maracujá.

Em 2016, foi comercializado em Portugal graças ao impulso de Joe Berardo, o homem forte da Bacalhôa, a que deu o nome de Casal Mendes Blue. Antes do vinho azul ser lançado no mercado, a empresa Aliança, do mesmo grupo, lançou um vinho cor-de-rosa, que acabou por ser um fracasso no mercado.

O Instituto da Vinha e do Vinho não reconhece este líquido azul como vinho, considerando que se trata de um corante alimentar que é acrescentado a um vinho no final do seu processo de fermentação.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.