França aprova lei que multa clientes da prostituição

Algumas dezenas de prostitutas manifestaram-se ontem à porta do parlamento em Paris

Os deputados franceses aprovaram esta quarta-feira uma lei que torna ilegal pagar por sexo no país. Os clientes apanhados vão ter de pagar multa e também frequentar aulas onde vão aprender sobre as condições de trabalho das prostitutas e prostitutos.

As multas começam nos 1500 euros e aumentam para reincidentes. Os trabalhadores do sexo, por outro lado, deixam de ser vistos como criminosos. Ou seja, o objetivo é responsabilizar os clientes, uma vez que sem eles não "haverá tráfico humano", explicou o deputado Guy Geoffroy.

No entanto, a lei não foi bem recebida por vários sectores. Algumas dezenas de prostitutas manifestaram-se ontem à porta do parlamento em Paris, enquanto a lei estava a ser votada, com cartazes que diziam "Não me libertem, eu tomo conta de mim " ou "Contra a penalização dos clientes". Um sindicato dos trabalhadores do sexo disse ainda que a lei põe em causa a sobrevivência de milhares de trabalhadores.

No início do ano o parlamento europeu aprovou uma resolução que pedia que o chamado "modelo nórdico" fosse adotado nos países da UE - a Suécia foi o primeiro país a criminalizar a comportamento dos clientes, em vez do das prostitutas, em 1999.

A Amnistia Internacional diz que este tipo de leis fazem os trabalhadores sexuais correr mais riscos para proteger os clientes da polícia.

Exclusivos